Porto Alegre, terça-feira, 19 de maio de 2020.
Dia Nacional da Defensoria Pública.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 19 de maio de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Aviação

19/05/2020 - 12h35min. Alterada em 19/05 às 13h33min

Novo normal vai exigir chegar mais cedo ao aeroporto, diz Iata

Medidas de segurança para viagens seguem sendo discutidas por autoridades

Medidas de segurança para viagens seguem sendo discutidas por autoridades


ROME'S FIUMICINO AIRPORT AUTHORITY/AFP/JC
Folhapress
As novas medidas de segurança para impedir o contágio por coronavírus devem exigir que os passageiros cheguem mais cedo aos aeroportos, disse nesta terça (19) a Iata, Associação Internacional de Transporte Aéreo.
As novas medidas de segurança para impedir o contágio por coronavírus devem exigir que os passageiros cheguem mais cedo aos aeroportos, disse nesta terça (19) a Iata, Associação Internacional de Transporte Aéreo.
O vice-presidente de Segurança da Iata, Nick Careen, que apresentou as recomendações da entidade, disse que a associação ainda está calculando quanto tempo extra será necessário para que todas as medidas de segurança sejam cumpridas e qual a antecedência necessária para os passageiros.
As orientações vão na direção de medidas já adotadas por companhias aéreas ou sugeridas por outras entidades, como a redução de contatos, limitações a bagagem de bordo, mudanças nos sistemas de refeição, uso de máscaras e desinfecção frequente.
A Iata também recomenda a adoção de mais tecnologia para que procedimentos como check-in, despacho de bagagem, checagem de documentos e inspeções de segurança sejam feitos sem contato e, de preferência, por biometria e sem a necessidade de tocar superfícies.
Careen disse que parte das medidas pode ser substituída no futuro por testes para presença do coronavírus ou passaportes eletrônicos de imunidade, mas apenas que o conhecimento científico avançar nessas áreas. Segundo o executivo da Iata, cada país determina a providência a tomar se for descoberto durante a viagem que um passageiro estava infectado pelo coronavírus -como quarentena ou repatriação, por exemplo.
Testes e rastreamento de contatos são essenciais para que as viagens possam retomar com mais rapidez e segurança, disse Careen, e companhias já estão proibindo que passageiros mudem de assento no avião para não prejudicar a identificação se algum caso for detectado.
O vice-presidente disse que a Iata está discutindo suas recomendações com a Organização de Aviação Civil Internacional (ICAO, na sigla em inglês), mas que mudanças de regulamentação feitas no passado, como, por exemplo, no transporte de animais ou medicamentos, foram implantadas sem problemas pelas companhias aéreas.
Autodeclaração sobre seu estado de saúde, como é feito hoje em relação às bagagens, pode ser uma forma de evitar que passageiros ponham em risco a saúde de outros e de eximir companhias aéreas da responsabilidade tanto pela exposição quanto pelos custos de repatriação.
Segundo o diretor-geral da Iata, Alexandre de Juniac, é preciso evitar que passageiros sejam constrangidos no processo, e os custos serão repartidos entre diferentes empresas do mercado, como aeroportos, empresas de logística e companhias aéreas.
Veja as medidas sugeridas:
Antes do voo
- reserva online
- check-in online
No terminal de embarque
- acesso apenas a funcionários e passageiros
- temperatura medida na entrada ou o mais próximo possível da entrada
- distanciamento fiscal de no mínimo dois metros em todos os pontos, com reestruturação para evitar filas quando necessário
- uso obrigatório de máscaras e outros equipamentos de proteção para passageiros e funcionários
- pontos de desinfecção disponível e informações frequentes sobre a necessidade de desinfecção
quando houver evidência científica suficiente, testes de Covid-19 e passaportes eletrônicos de imunidade podem substituir parte das medidas
Dentro dos aeroportos
- serviços self-service, na maior parte do possível, com uso de biometria e sem necessidade de toque em superfícies
- sempre que possível, passageiros devem despachar suas bagagens
Embarque
- organização do embarque para permitir menos contato
- uso de leitores digitais de cartão de embarque e biometria para evitar contato
- limitação das bagagens de bordo para agilizar o embarque
No voo
- aviões devem usar filtros do tipo Hepa, para garantir desinfecção do ar
- Uso de máscaras e outros equipamentos de proteção para comissários e passageiros
- Fornecimento de material para desinfecção
- Medidas para evitar trânsito de comissários para servir refeições, como, por exemplo, a entrega prévia de pacotes com os alimentos
Aeroporto de chegada
- Controle de temperatura por profissionais treinados sobre como orientar casos suspeitos
- Orientação clara para passageiros sobre o que fazer quando chegar
- Acelerar entrega de bagagens, usando todas as esteiras disponíveis
- Minimizar contato e manter distanciamento nas inspeções de imigração e aduana
- Uso de declarações eletrônicas, formulários digitais e QR codes
Conexões
- checagem de temperatura
- de preferência, concentrar os procedimentos de segurança nos aeroportos de embarque, para evitar contatos e duplicação de trabalho
- quando for preciso fazer nova checagem, adotar as medidas já citadas para evitar contato
Comentários