Porto Alegre, sexta-feira, 25 de setembro de 2020.
Dia do Trânsito.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 25 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Energia

- Publicada em 03h00min, 13/05/2020.

Covid-19 impacta em R$ 4,6 bilhões as distribuidoras de energia

O impacto da pandemia de Covid-19 nas distribuidoras de energia elétrica até agora, desde a adoção de medidas de isolamento social, em 18 de março, é estimado em R$ 4,6 bilhões, segundo informou o Ministério de Minas e Energia (MME), em boletim semanal. A maior parte desse valor, ou R$ 3,478 bilhões, se refere ao aumento da inadimplência.
O impacto da pandemia de Covid-19 nas distribuidoras de energia elétrica até agora, desde a adoção de medidas de isolamento social, em 18 de março, é estimado em R$ 4,6 bilhões, segundo informou o Ministério de Minas e Energia (MME), em boletim semanal. A maior parte desse valor, ou R$ 3,478 bilhões, se refere ao aumento da inadimplência.
Segundo o MME, a inadimplência acumulada desde março alcançou 15,08%, ante média mensal de 3,27% no primeiro semestre de 2019. Considerando somente a inadimplência dos últimos 30 dias, o índice chegou a 14,74% no início de maio, levando em conta os dados de 41 concessionárias de distribuição. O impacto estimado da Covid-19 para os últimos 30 dias foi de R$ 4,1 bilhões, dos quais
R$ 2,048 bilhões devido ao maior volume de contas de luz em atraso. Há, também, um impacto estimado de R$ 2,057 bilhões decorrente da redução do faturamento por causa da pandemia. O MME aponta que, somente no último domingo, a carga média de energia do Sistema Interligado Nacional foi 17,16% menor em relação à curva típica anterior às medidas de restrição.
No total, as distribuidoras consultadas indicaram um faturamento de R$ 15,213 bilhões nos últimos 30 dias, ante a média mensal de R$ 19,318 bilhões observada no primeiro semestre do ano passado.
O governo vem estruturando um empréstimo para socorrer o setor elétrico. O valor atualmente estimado para operação é de R$ 10 bilhões a R$ 12 bilhões, com custos que deverão ser divididos entre consumidores e empresas.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO