Porto Alegre, segunda-feira, 11 de maio de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 11 de maio de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Mercado financeiro

11/05/2020 - 14h26min. Alterada em 11/05 às 14h26min

Bolsas da Europa fecham em baixa, com temor sobre nova onda de casos de Covid-19

Novas infecções da Covid-19 na Ásia influenciam queda

Novas infecções da Covid-19 na Ásia influenciam queda


GABRIELA DI BELLA/ARQUIVO/JC
As bolsas da Europa fecharam majoritariamente em queda nesta segunda-feira (11) em meio a sinais de novas ondas de infecções em países da Ásia, que já haviam relaxado as medidas de distanciamento social. A alta no número de novos casos no continente trouxe dúvidas entre investidores sobre a viabilidade da reabertura econômica em países que ainda estão no estágio inicial do afrouxamento e com, isso, o índice Stoxx 600 encerrou em queda de 0,39%, em 339,70 pontos.
As bolsas da Europa fecharam majoritariamente em queda nesta segunda-feira (11) em meio a sinais de novas ondas de infecções em países da Ásia, que já haviam relaxado as medidas de distanciamento social. A alta no número de novos casos no continente trouxe dúvidas entre investidores sobre a viabilidade da reabertura econômica em países que ainda estão no estágio inicial do afrouxamento e com, isso, o índice Stoxx 600 encerrou em queda de 0,39%, em 339,70 pontos.
A exceção ao movimento de perdas foi a Bolsa de Londres, onde o índice FTSE 100 teve leve alta de 0,06%, a 5.939,73 pontos, embalado pelo anúncio do primeiro-ministro Boris Johnson, ontem, dos planos para a remoção das restrições ao movimento.
Predominou, porém, a cautela sobre a retomada econômica e seus riscos. Novos episódios da doença na Coreia do Sul e na cidade de Wuhan, na China, reforçaram o temor de que a reabertura não será um processo tranquilo.
A fraqueza do petróleo também pressionou em parte do pregão, embora a commodity tenha mostrado volatilidade. Entre companhias do setor, BP recuou 0,65% em Londres, Total caiu 1,82% em Paris e Iberdrola, 1,73% em Madri.
Além disso, na opinião de Boris Schlossberg, analista do BK Asset Management, a agenda esvaziada na Europa colaborou para a fraqueza dos mercados acionários em geral no continente, bem como certo movimento de realização de lucros após altas recentes.
Em Frankfurt, o índice DAX fechou em baixa de 0,73%, em 10.824,99 pontos. Na Bolsa de Paris, o índice CAC-40 recuou 1,31%, para 4.490,22 pontos.
O índice FTSE-MIB, da Bolsa de Milão, fechou em queda de 0,33%, em 17.381,36 pontos. Em Madri, o índice IBEX-35 caiu 1,63%, para 6.672,20 pontos. Em Lisboa, o índice PSI-20 registrou baixa de 0,67%, a 4.209,83 pontos.
Comentários