Porto Alegre, segunda-feira, 04 de maio de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 04 de maio de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Mercado financeiro

Alterada em 04/05 às 15h18min

Bolsas da Europa fecham em forte queda, com tensões EUA-China e falas de Buffet

Megainvestidor Warren Buffet apresentou um cenário sombio para o setor

Megainvestidor Warren Buffet apresentou um cenário sombio para o setor


MIGUEL MEDINA/AFP/JC
As bolsas europeias fecharam em território negativo nesta segunda-feira (4) com o apetite por risco prejudicado pelas tensões entre Estados Unidos e China, renovadas nos últimos dias. As quedas em geral foram consideráveis, mas as perdas entre as aéreas se destacaram, após declarações negativas do megainvestidor Warren Buffet sobre o setor. O índice Stoxx 600 encerrou com queda de 3,41%, a 328,44 pontos.
As bolsas europeias fecharam em território negativo nesta segunda-feira (4) com o apetite por risco prejudicado pelas tensões entre Estados Unidos e China, renovadas nos últimos dias. As quedas em geral foram consideráveis, mas as perdas entre as aéreas se destacaram, após declarações negativas do megainvestidor Warren Buffet sobre o setor. O índice Stoxx 600 encerrou com queda de 3,41%, a 328,44 pontos.
A crise global provocada pelo coronavírus reavivou as divergências entre chineses e americanos, que haviam arrefecido com acordo comercial firmado em janeiro. No domingo (3), o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmou que poderá aplicar novas tarifas ao país asiático, em retaliação à resposta de Pequim à pandemia, considerada por ele lenta. "A China cometeu um erro, tentou esconder e demorou a avisar sobre a covid-19", disse, em entrevista à Fox News.
Nesta segunda-feira, o assessor de comércio da Casa Branca, Peter Navarro, ecoou as mensagens do presidente, também em entrevista à emissora. "O que é importante entender é que a China mentiu e pessoas morreram", criticou.
A escalada das tensões provocou renovada cautela entre investidores, derrubando as ações europeias, conforme destaca o BBH. "As tensões entre EUA e China continuam a pesar sobre o sentimento do mercado", explica.
Em Londres, o índice FTSE 100 encerrou em queda de 0,16%, a 5.753,78 pontos. Por lá, as companhias aéreas tiveram forte baixa, após Warren Buffet apresentar um cenário sombrio para o setor. Líder da Berkshire Hathway, o megainvestidor afirmou que a empresa vendeu todas as suas ações nas empresas da área, entre elas United, American e Delta.
Com isso, o papel da Easy Jet despencou 7,22% no mercado britânico, enquanto IAG, que controla British Airway e Iberia, perdeu 5,16%. Já na Bolsa de Paris, Air France desabou 7,49%, enquanto o CAC 40 caiu 4,24%, a 4.378,23 pontos.
Em Frankfurt, o DAX contraiu 3,64%, a 10.466,80 pontos. As companhias do setor automotivo, sensíveis ao noticiário sobre as relações comerciais, tiveram perdas significativas, com Volkswagen caindo 5,02% e BMW tendo queda 4,32%. Já em Milão, o índice FTSE MIB retraiu 3,70%, a 17.035,61 pontos, na mínima do dia.
Em Madrid, o Ibex 35 recuou 3,60%, a 6.673,30 pontos, também no menor nível intraday. Já em Lisboa, o PSI 20 caiu 2,28%, a 4.186,69 pontos.
Comentários