Porto Alegre, sexta-feira, 25 de setembro de 2020.
Dia do Trânsito.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 25 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

INDÚSTRIA

- Publicada em 19h09min, 27/04/2020. Atualizada em 09h10min, 28/04/2020.

Mais de 80% das metalúrgicas da Serra apontam queda na atividade produtiva

Indústria metalúrgica registrou  queda na demanda, cancelamento de pedidos e produção fabril limitada

Indústria metalúrgica registrou queda na demanda, cancelamento de pedidos e produção fabril limitada


GEORGE FREY/AFP/JC
Roberto Hunoff, de Caxias do Sul
Queda do faturamento, cancelamento de pedidos, declínio e paralisação da produção são, pela ordem, os principais impactos que a crise da Covid-19 provocou nas empresas associadas ao Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Caxias do Sul e Região (Simecs). De 8 a 17 de abril, a entidade fez um levantamento de informações com o intuito de identificar os efeitos da pandemia e promover ações para auxiliar as organizações.
Queda do faturamento, cancelamento de pedidos, declínio e paralisação da produção são, pela ordem, os principais impactos que a crise da Covid-19 provocou nas empresas associadas ao Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Caxias do Sul e Região (Simecs). De 8 a 17 de abril, a entidade fez um levantamento de informações com o intuito de identificar os efeitos da pandemia e promover ações para auxiliar as organizações.
{'nm_midia_inter_thumb1':'', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5c6f03d777ac4', 'cd_midia':8634598, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/gif/2019/02/21/banner_whatsapp_280x50px_branco-8634598.gif', 'ds_midia': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'ds_midia_credi': 'Thiago Machado / Arte JC', 'ds_midia_titlo': 'WhatsApp Conteúdo Link', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '280', 'cd_midia_h': '50', 'align': 'Center'}
“É evidente que a crise vem afetando de forma contundente o faturamento das empresas consultadas. Mais de 80% perceberam queda substancial na demanda, cancelamento de pedidos e produção fabril limitada, o que revela um cenário desafiador para o setor nos próximos meses”, avaliou o presidente da entidade, Paulo Spanholi.
Por meio de envio de formulário por e-mail, a entidade encaminhou a consulta para toda a base de associados, composta por empresas de 17 municípios da Serra Gaúcha. O retorno foi de 296 empresas, a maioria ligada ao setor metalmecânico e de micro e pequeno portes. O Simecs pretende fazer um novo levantamento de dados em maio para verificar como foi o comportamento do setor no decorrer da pandemia.
Praticamente um terço das empresas consultadas vem encontrando pelo menos alguma dificuldade para obter os insumos necessários aos seus processos produtivos. Entretanto, a maioria ainda tem conseguido manter o abastecimento adequado. Sobre transporte e logística, mais de 80% informaram que, até o momento, não enfrentaram problemas. Enquanto isso, 89% indicaram que a manutenção de equipamentos não foi impactada de forma significativa.
A crise vem sendo dura no indicador de contratações. Quase a metade das empresas consultadas, 49%, teve queda considerável no tamanho de sua força de trabalho. Metade ainda está conseguindo manter a situação estável e menos de 1% dos negócios teve aumento no quadro de funcionários no período. As principais medidas adotadas pelas empresas consultadas para evitar demissões são, pela ordem, uso de home office, banco de horas e férias, contempladas em quase 60% das empresas.
O uso de banco de horas e a flexibilização de jornada, acordados na primeira convenção coletiva de trabalho extraordinária entre Simecs e Sindicato dos Trabalhadores, em 18 de março, foram adotados por mais de 20%. Redução de jornada e suspensão de contratos somaram 10%. A adoção da redução de jornada, nas proporções de 25%, 50% e 75%, só deve fazer parte do conjunto da maioria das empresas, em torno de 55%, depois de uma análise das demandas de mercado. Em torno de 30% não devem usar a possibilidade e o restante informa que adotará a medida entre abril e maio.
Quando consultadas sobre demanda por crédito para capital de giro, 44% informaram não ter buscado a opção. Entre os que procuraram, 38% definiram o acesso como mais e muito mais difícil. Apenas 6% acreditam que está mais fácil obter crédito e 12% não perceberam mudanças. Do total de empresas que paralisaram atividades, apenas 6% informaram que seguem inativas por período de férias ou falta de demanda. Somente 5% seguiram com normalidade por não se enquadrarem no decreto municipal de  proibição de funcionamento. A maioria retornou a produção nos dias 6 e 13 de abril.
Dentre as empresas que responderam à consulta houve o registro de apenas três casos suspeitos de contaminação pela Covid-19. Segundo a pesquisa, mais de 90% das organizações não sentiram resistência dos trabalhadores no retorno às atividades.
Comentários CORRIGIR TEXTO