Porto Alegre, segunda-feira, 20 de julho de 2020.
Dia do Amigo.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 20 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Energia

Notícia da edição impressa de 07/04/2020. Alterada em 09/04 às 16h06min

Avançam projetos de geração eólica no RS

Corredor do Senandes tem capacidade instalada de 108 MW e prevê aumento de 80 MW

Corredor do Senandes tem capacidade instalada de 108 MW e prevê aumento de 80 MW


/Acervo Odebrecht
Jefferson Klein
A autorização dada pela Fundação Estadual de Proteção Ambiental (Fepam) para a elaboração de Estudo e Relatório de Impacto Ambiental (EIA-Rima) do projeto de expansão do parque eólico Corredor do Senandes, em Rio Grande, e a perspectiva de um novo aerogerador no complexo da Honda Energy, em Xangri-Lá, entusiasmaram quem lida com a geração de energia a partir dos ventos no Rio Grande do Sul.
As notícias são bem-vindas pois nos últimos anos os empresários do segmento no Estado têm dificuldades para crescer devido a limitações no sistema de transmissão (que estão sendo superadas agora por novas obras de linhas e subestações) e à forte concorrência com os empreendimentos no Nordeste.
"É injeção direta de investimento para o Estado", comemora o presidente do Sindicato das Indústrias de Energias Renováveis do Rio Grande do Sul (Sindienergia-RS), Guilherme Sari. A entidade era anteriormente chamada de Sindieólica-RS, mas recentemente mudou seu nome para também abranger fontes como a solar, hídrica e biomassa (uso de matéria-prima orgânica). O dirigente ressalta que os planos das duas empresas (ADS Energias Renováveis, em Rio Grande, e Honda Energy, em Xangri-Lá) vêm em um momento complicado para o setor de energia que, como vários outros, não passou incólume à pandemia do coronavírus.
Apesar dos problemas criados pelo vírus, no caso do empreendimento na Metade Sul, o diretor da ADS Energias Renováveis (companhia pertencente ao grupo NC) Thadeu Silva detalha que a situação não deverá afetar fortemente os planos, porque neste momento o foco será a contratação das empresas que farão o estudo do EIA-Rima e não a obra de ampliação em si. O executivo explica que o trabalho precisará contemplar dois projetos, um de recuperação da área para as condições do seu habitat natural e outro de contenção de dunas. Ele estima que o levantamento levará pelo menos um ano para ser finalizado.
O plano da ADS é aumentar em 80 MW o complexo eólico Corredor do Senandes, que hoje tem 108 MW de capacidade instalada (cerca de 3% da demanda média de energia do Estado). O investimento necessário para satisfazer a essa meta é estimado por Silva em aproximadamente R$ 360 milhões. Entre as possibilidades de destino desse novo volume de energia estão o atendimento de demandas de empresas do grupo NC, disponibilização em leilão ou comercialização no mercado livre (formado por grandes consumidores que podem escolher de quem vão comprar a energia).
Se no Litoral Sul os planos de ampliação estão iniciando, no Litoral Norte a Honda Energy já deu andamento à implantação de uma torre adicional em seu parque em Xangri-Lá para aumentar para dez o número de aerogeradores. Com a medida, a capacidade instalada do complexo saltará dos atuais 27,7 MW para 30 MW. Sari informa que a previsão era que a expansão fosse concluída em meados deste ano, mas pode ocorrer algum atraso devido à questão do coronavírus.
Sobre os reflexos da pandemia no setor elétrico, o presidente do Sindienergia-RS recorda que os leilões de geração de energia, que seriam realizados neste ano pelo governo federal, foram postergados por tempo indeterminado. Um dos motivos que levaram a essa decisão, argumenta o dirigente, é o fato de que, com a queda da economia, caiu também a demanda e o consumo de eletricidade. "Realmente, não fazia muito sentido os certames acontecerem", concorda Sari.
O presidente do Sindienergia-RS comenta que não há perspectiva de riscos quanto ao fornecimento de energia, porém algo que será tópico de discussões mais adiante são os contratos entre distribuidoras e geradoras já firmados. O dirigente salienta que as concessionárias podem alegar força maior para rever esses acordos, já que os volumes de energia necessários para atender ao mercado, com o coronavírus, não serão os mesmos de antes da epidemia.
Comentários CORRIGIR TEXTO

EXPEDIENTE

2020