Porto Alegre, quinta-feira, 26 de março de 2020.
Aniversário de Porto Alegre. Dia do Cacau.

Jornal do Comércio

Porto Alegre, quinta-feira, 26 de março de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

mercado financeiro

25/03/2020 - 10h10min. Alterada em 25/03 às 10h09min

Após queda na terça à noite, dólar à vista volta a subir

Na manhã desta quarta-feira, moeda americana ronda a estabilidade

Na manhã desta quarta-feira, moeda americana ronda a estabilidade


FREEPIK/REPRODUÇÃO/JC
O dólar à vista abriu a quarta-feira (25) em alta e subiu até R$ 5,1088 (+0,53%) na máxima, sob efeito da repercussão negativa do pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro, na terça-feira à noite, mas agora ronda a estabilidade, com viés de alta, na esteira do enfraquecimento das bolsas europeias e dos futuros de Nova Iorque.
O dólar à vista abriu a quarta-feira (25) em alta e subiu até R$ 5,1088 (+0,53%) na máxima, sob efeito da repercussão negativa do pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro, na terça-feira à noite, mas agora ronda a estabilidade, com viés de alta, na esteira do enfraquecimento das bolsas europeias e dos futuros de Nova Iorque.
Às 9h51min, o dólar à vista subia 0,03%, a R$ 5,0833. O dólar abril caía 0,33%, a R$ 5,0850, em meio a ajustes ante o fechamento mais alto que o do à vista ontem. A expectativa de leilões de linha de até US$ 3 bilhões no período da manhã ajuda ainda a limitar o avanço do dólar à vista. O dólar futuro de abril mostra leve queda.
Mais cedo, os índices acionários no exterior exibiram firmes ganhos, reagindo a um acordo fechado no Senado americano em torno de um pacote fiscal de cerca de US$ 2 trilhões proposto pelo governo dos EUA para amenizar o impacto econômico da pandemia de coronavírus. Mas podem estar realizando parte desses ganhos e também depois do rali de ontem, à espera agora da aprovação dos estímulos fiscais americanos.
O dado reforça a percepção de economia estagnada e apoia as apostas em novo corte da Selic, em maio. Se isso se confirmar, vai diminuir o diferencial de juro interno e externo e, por tabela, a atratividade do País aos investidores estrangeiros.