Porto Alegre, terça-feira, 21 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 21 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Pesquisa

- Publicada em 03h16min, 25/03/2020. Atualizada em 03h00min, 25/03/2020.

Preocupados com duração da crise, brasileiros temem perder renda

Os brasileiros estão incertos sobre a duração da crise provocada pelo avanço do coronavírus, mas a maioria prevê que sua renda diminuirá com a paralisação da economia nos próximos meses, segundo pesquisa realizada pelo Datafolha. De acordo com o instituto, 79% das pessoas preveem que a economia brasileira será muito afetada pela propagação da doença. Outros 16% acham que ela será pouco afetada, e somente 3% dizem que ela não será prejudicada.

Os brasileiros estão incertos sobre a duração da crise provocada pelo avanço do coronavírus, mas a maioria prevê que sua renda diminuirá com a paralisação da economia nos próximos meses, segundo pesquisa realizada pelo Datafolha. De acordo com o instituto, 79% das pessoas preveem que a economia brasileira será muito afetada pela propagação da doença. Outros 16% acham que ela será pouco afetada, e somente 3% dizem que ela não será prejudicada.

A paralisia da atividade econômica, o isolamento da população e outras medidas restritivas necessárias para combater o vírus tendem a deprimir a demanda por bens e serviços no mundo inteiro, reduzindo a renda e o consumo, e freando investimentos das empresas.

De acordo com o Datafolha, 50% dos brasileiros preveem que a crise terá efeitos prolongados e 44% acham que os prejuízos econômicos se esgotarão em pouco tempo. As mulheres (53%) estão mais pessimistas do que os homens.

A insegurança é maior entre as camadas mais pobres da população. De acordo com a pesquisa, 32% dos que têm renda familiar mensal de até dois salários-mínimos (R$ 2.090,00) preveem que sofrerão prejuízos causados pela crise por muito tempo, e 41% acham que os efeitos serão passageiros.

Entre os mais ricos, com renda familiar mensal superior a 10 salários-mínimos (R$ 10.450,00), somente 19% têm a expectativa de prejuízos prolongados.

Comentários CORRIGIR TEXTO