Porto Alegre, terça-feira, 24 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre, terça-feira, 24 de março de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

trabalho

Alterada em 24/03 às 15h03min

Setor de turismo manda carta ao governo temendo mais de 1 milhão de demissões

O setor vai deixar de movimentar R$ 31 bilhões este ano

O setor vai deixar de movimentar R$ 31 bilhões este ano


MAURO PIMENTEL/AFP/JC
As associações ligadas ao setor de turismo no Brasil afirmam que as Medidas Provisórias editadas pelo governo federal, até o momento, não trazem solução para a drástica queda de demanda que já fechou 80% dos hotéis, parques e atrações turísticas do País.
As associações ligadas ao setor de turismo no Brasil afirmam que as Medidas Provisórias editadas pelo governo federal, até o momento, não trazem solução para a drástica queda de demanda que já fechou 80% dos hotéis, parques e atrações turísticas do País.
Em carta aberta ao governo, as entidades dizem temer pela demissão de mais de um milhão de pessoas ligadas ao setor, que vai deixar de movimentar R$ 31 bilhões este ano.
Assinam a carta associações hoteleiras e de parques do Brasil: Resorts Brasil, ABIH, FOHB, FBHA, BLTA, Sindepat, Adibra e Unedestinos. Elas afirmam que não vão suportar o impacto financeiro e que podem ir à falência.
"As restrições às viagens ao redor do mundo em função da Pandemia e a necessidade de isolamento social paralisam a cadeia de turismo e assolam a economia de forma global", dizem na carta.
Na carta afirmam que não adianta diminuir jornadas de trabalho ou salários, ou autorizar o teletrabalho, já que com parques e hotéis fechados, nem deslocamento de pessoas, não há prestação de serviços nem produção. "Turismo não se estoca. Comunidades e destinos inteiros podem sofrer com o desemprego", alertam.