Porto Alegre, terça-feira, 21 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 21 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 10h02min, 24/03/2020. Atualizada em 10h02min, 24/03/2020.

Dólar recua com melhora no exterior, apesar de varejo fraco no Brasil

Moeda americana abriu em baixa nesta terça

Moeda americana abriu em baixa nesta terça


FREEPIK.COM/DIVULGAÇÃO/JC
O dólar opera em baixa ante o real na manhã desta terça-feira (24) em linha com a desvalorização no exterior, onde o apetite por ativos de risco predomina. Investidores operam na expectativa de um acordo entre o governo americano e os Democratas em torno do pacote fiscal, que poderá injetar US$ 1,7 trilhão na economia dos Estados Unidos. Ecoam ainda uma série de novas medidas, incluindo compras ilimitadas de ativos, anunciadas pelo Federal Reserve na segunda-feira (23).
O dólar opera em baixa ante o real na manhã desta terça-feira (24) em linha com a desvalorização no exterior, onde o apetite por ativos de risco predomina. Investidores operam na expectativa de um acordo entre o governo americano e os Democratas em torno do pacote fiscal, que poderá injetar US$ 1,7 trilhão na economia dos Estados Unidos. Ecoam ainda uma série de novas medidas, incluindo compras ilimitadas de ativos, anunciadas pelo Federal Reserve na segunda-feira (23).
Às 9h45min, o dólar à vista caía 1,15%, a R$ 5,0756. Pontualmente, o dólar renovou máximas após os dados de vendas no varejo fracos em janeiro ante dezembro, que apoiam as apostas de corte da Selic em maio.
Com isso, pode diminuir ainda mais o diferencial de juro interno e externo, desestimulando ingressos de capitais estrangeiros no País.
As vendas do comércio varejista caíram 1,0% em janeiro ante dezembro, na série com ajuste sazonal. Na comparação com janeiro de 2019, sem ajuste sazonal, as vendas do varejo tiveram alta de 1,3% em janeiro de 2020.
Comentários CORRIGIR TEXTO