Porto Alegre, segunda-feira, 23 de março de 2020.
Dia Mundial do Meteorologista.

Jornal do Comércio

Porto Alegre, segunda-feira, 23 de março de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

mercado financeiro

23/03/2020 - 17h49min. Alterada em 23/03 às 17h49min

Bolsas de Nova Iorque fecham em queda com impasse no Senado dos EUA sobre pacote

O índice Dow Jones fechou em queda de 3,04%, em 18.591,3 pontos

O índice Dow Jones fechou em queda de 3,04%, em 18.591,3 pontos


JEENAH MOON/GETTY IMAGES/AFP/JC
As bolsas de Nova Iorque tiveram mais um dia de fortes perdas, em meio ao impasse no Senado norte-americano em relação ao pacote de quase US$ 2 trilhões em estímulos fiscais para lidar com os impactos do coronavírus na economia. Nem a nova rodada de medidas do Federal Reserve (Fed, o Banco Central dos Estados Unidos) para aplacar estresses de liquidez ajudou a aliviar o mau humor nos mercados.
As bolsas de Nova Iorque tiveram mais um dia de fortes perdas, em meio ao impasse no Senado norte-americano em relação ao pacote de quase US$ 2 trilhões em estímulos fiscais para lidar com os impactos do coronavírus na economia. Nem a nova rodada de medidas do Federal Reserve (Fed, o Banco Central dos Estados Unidos) para aplacar estresses de liquidez ajudou a aliviar o mau humor nos mercados.
O índice Dow Jones fechou em queda de 3,04%, em 18.591,3 pontos, o S&P 500 teve baixa de 2,93%, a 2.237,40 pontos e o Nasdaq recuou 0,27%, a 6.860,67 pontos.
A semana começou com renovadas preocupações entre investidores acerca da resposta do governo americano ao coronavírus, cujo número de casos já passou de 300 mil no mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), chegou a quase todos os países. Por conta de divergências entre democratas e republicanos, o Senado não aprovou o pacote fiscal de US$ 1,6 trilhões para amortecer os efeitos do vírus.
O secretário do Tesouro americano, Steven Mnuchin, disse que continuará as negociações com as lideranças democratas no Congresso, mas, para o Wells Fargo, a economia corre contra o tempo. "A cada dia, o prejuízo econômico cresce, incertezas sobre política econômica aumentam e a eficácia do projeto diminui", analisa a instituição, em relatório enviado a clientes.
Pela manhã, os índices acionários chegaram a ter um leve respiro, depois que o Fed anunciou que compraria Treasuries e títulos lastreados em hipoteca a volumes ilimitados. No entanto, a volatilidade marcou o restante do pregão, com a falta de perspectivas na área fiscal.
"Ainda que muitos argumentem que o plano de Trump favoreça empresas em detrimento de cidadãos, a realidade é que vários governos ao redor do mundo estão tomando medidas fiscais e monetárias mais agressivas para estabilizar os mercados", avalia a BK Asset Management.
Entre as ações especificas, os bancos voltaram a registrar fortes perdas, com o JPMorgan caindo 5,35%, o Morgan Stanley cedendo 6,27% e o Bank of America recuando 8,09%.
Por outro lado, o papel da Boeing contrariou o tom negativo dos mercados teve forte avanço, de 11,17%, após o Goldman Sachs elevar sua recomendação de "neutra" para "compra".