Porto Alegre, sexta-feira, 20 de março de 2020.
Início do Outono.

Jornal do Comércio

Porto Alegre, sexta-feira, 20 de março de 2020.
Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 20/03 às 10h11min

Influenciado por melhora externa, dólar volta cair, mas sustenta os R$ 5,00

Medidas do governo e de bancos centrais contribuem para melhora

Medidas do governo e de bancos centrais contribuem para melhora


FREEPIK.COM/DIVULGAÇÃO/JC
O dólar segue em baixa firme, mas ainda sustenta os R$ 5,00, influenciado pela melhora externa diante das ações de bancos centrais e governo em resposta à pandemia do coronavírus, além da continuidade de leilões coordenados do Banco Central e do Tesouro.
O dólar segue em baixa firme, mas ainda sustenta os R$ 5,00, influenciado pela melhora externa diante das ações de bancos centrais e governo em resposta à pandemia do coronavírus, além da continuidade de leilões coordenados do Banco Central e do Tesouro.
O BC faz operações compromissadas em moeda estrangeira mediante a venda, à vista, de títulos soberanos por instituição financeira, com simultânea assunção, pelo BC de compromisso de recompra de títulos com as mesmas características em data futura, às 11 horas. Já o Tesouro realiza leilões extraordinários de compra e venda de LTN e NTN-F e de compra e venda de NTN-B.
O analista de câmbio da Ourominas, Elson Gusmão, avalia que o novo leilão do BC com os títulos soberanos ajuda na queda do dólar, mas acredita que o mercado vai querer testar o limite do que o BC considera dólar alto. "Me parece que o Bacen acordou, estando mais atuante no câmbio", observa.
Nesta manhã, o anúncio da revisão do Produto Interno Bruto (PIB) do País neste ano pode provocar nova onda de alteração nas expectativas dos investidores sobre a atividade econômica. No mercado, as previsões variam de zero até recessão neste ano.
Às 9h54min, o dólar à vista caía 1,21%, a R$ 5,0361. Mais cedo, a Petrobras informou que vai sacar US$ 8 bilhões do limite do seu cheque especial e adiar, sem data definida, o recebimento das propostas para a venda de suas refinarias, piorando as expectativas sobre o fluxo cambial do País.
Já o Índice de Confiança da Indústria (ICI) apurado na prévia da sondagem de março teve um recuo de 3,2 pontos em relação ao resultado fechado de fevereiro, para 98,2 pontos, a primeira queda após quatro meses de avanços.