Porto Alegre, terça-feira, 21 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 21 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado Financeiro

- Publicada em 10h41min, 16/03/2020. Atualizada em 11h41min, 16/03/2020.

Bolsa cai 12,53% e começa segunda semana com interrupção nos negócios

É o quinto circuit breaker na bolsa brasileira desde a segunda-feira passada

É o quinto circuit breaker na bolsa brasileira desde a segunda-feira passada


Nelson ALMEIDA/AFP/JC
Atualizada às 11h40min
Atualizada às 11h40min
A Bolsa brasileira abriu em forte queda e atingiu o limite de 10% de baixa logo no começo do pregão desta segunda-feira (16), mostrando que a forte volatilidade deve persistir nos mercados financeiros. Esse é o quinto circuit breaker desde a segunda passada (9).
O mecanismo suspende as negociações por 30 minutos em quedas superiores a 10%. Logo na abertura do pregão, o Ibovespa caiu 12,52%, a 72.321 pontos logo na abertura. Por volta das 11h25, na volta das negociações, o índice se desvalorizava cerca de 13%, chegando a 72 mil pontos.
Caso o índice caia 15%, um segundo circuit breaker é acionado, desta vez de uma hora. Em 2020, já são cinco circuit breakers, número próximo à marca de seis pausas em 2008, ano da crise financeira.
O motivo do tombo desta segunda foi a decisão do Fed (banco central americano) de cortar ainda no domingo (15) a taxa de juros do país para perto de zero, nesta que foi a segunda decisão extraordinária causada pelo coronavírus. O calendário do Fed prevê reunião nesta semana.
O mercado leu a medida como um indicativo de que a economia do país deve tombar por causa do coronavírus, temor que tem se disseminado pelo mundo.
Na China, dados consolidados de janeiro e fevereiro mostraram queda de 20% nas vendas do comércio, de 25% nos investimentos e de 13,5% na produção industrial. O país paralisou suas fábricas e comércio por causa da doença ao longo de fevereiro. Além disso, encontrou dificuldades de retomar a produção após a redução dos bloqueios.
O dólar abriu em alta, beirou os R$ 5, mas desacelerou para R$ 4,90. Os juros futuros de longo prazo voltam a subir, e o risco-país medido pelo CDS (Credit Default Swap) avança mais de 10% nesta manhã.
"O mercado local continua refém da retórica vivida no cenário internacional, na falta de notícias da mesma relevância no âmbito doméstico. Tanto o Tesouro quanto o Banco Central já se comprometeram a tomarem medidas de forma a amenizar o pânico nos mercados de títulos e de câmbio, mas a turbulência é certa na falta de mudanças na maneira que o mercado inicia a semana", escreveu a corretora Guide em relatório.
Comentários CORRIGIR TEXTO