Porto Alegre, sábado, 26 de setembro de 2020.
Dia Nacional dos Surdos.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 26 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

conjuntura

- Publicada em 10h11min, 16/03/2020.

Coronavírus faz mercado reduzir estimativas para PIB, inflação e juros

Para o PIB, a estimativa de crescimento em 2020 foi reduzida a 1,68%

Para o PIB, a estimativa de crescimento em 2020 foi reduzida a 1,68%


NELSON ALMEIDA/AFP/JC
O mercado reduziu suas expectativas para a taxa básica de juros, a inflação e o crescimento do país, mas passou a ver o dólar mais alto este ano, de acordo com a pesquisa Focus divulgada pelo Banco Central nesta segunda-feira (16).
O mercado reduziu suas expectativas para a taxa básica de juros, a inflação e o crescimento do país, mas passou a ver o dólar mais alto este ano, de acordo com a pesquisa Focus divulgada pelo Banco Central nesta segunda-feira (16).
O levantamento semanal apontou que a previsão é de um corte de 0,25 ponto percentual na Selic na reunião do Copom de quarta-feira (18), levando a taxa dos atuais 4,25% para 4,00%. Além disso, os economistas passaram a ver a Selic a 3,75% no final deste ano, de 4,25% antes. Para 2020 a projeção caiu para 5,25%, de 5,50%.
O Top-5, grupo dos que mais acertam as previsões, passou a ver a Selic a 3,38% na mediana das estimativas este ano, de 3,50%, enquanto que para 2020 o cenário permaneceu em 5%.
Para o PIB (Produto Interno Bruto), a estimativa de crescimento em 2020 foi reduzida em 0,31 ponto percentual, a 1,68%. Para o ano que vem, continua sendo esperada uma expansão de 2,50%.
Para a inflação, a alta do IPCA passou a ser calculada em 3,10% e 3,65% respectivamente neste ano e no próximo, de 3,20% e 3,75% na semana anterior.
O centro da meta oficial de 2020 é de 4% e, de 2021, de 3,75%, ambos com margem de tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou menos.
Por outro lado, com o dólar batendo sucessivos recordes ante o real, a moeda passou a ser calculada 4,35
Folhapress
Comentários CORRIGIR TEXTO