Porto Alegre, sábado, 26 de setembro de 2020.
Dia Nacional dos Surdos.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 26 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

conjuntura

- Publicada em 09h22min, 16/03/2020.

IPC-S tem alta de 0,04% na 2ª semana de março, divulga FGV

Grupo Alimentação acelerou, puxado pelo arrefecimento da deflação de carnes bovinas

Grupo Alimentação acelerou, puxado pelo arrefecimento da deflação de carnes bovinas


LUIZA PRADO/JC
O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) avançou 0,04% na segunda quadrissemana de março, voltando ao território positivo após deflação de 0,01% nas duas últimas divulgações. A informação foi divulgada nesta segunda-feira (16) pela Fundação Getulio Vargas (FGV).
O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) avançou 0,04% na segunda quadrissemana de março, voltando ao território positivo após deflação de 0,01% nas duas últimas divulgações. A informação foi divulgada nesta segunda-feira (16) pela Fundação Getulio Vargas (FGV).
Cinco das oito classes de despesa pesquisadas tiveram acréscimo nas taxas nesta divulgação. O destaque foi o grupo Alimentação, que acelerou de 0,61% para 0,81% puxado pelo arrefecimento da deflação de carnes bovinas (-1,76% para -0,68%).
Também aceleraram Habitação (-0,28% para -0,13%), com a tarifa de eletricidade residencial (-2,08% para -1,35%); Transportes (-0,06% para -0,02%), puxado pela gasolina (-1,41% para -1,11%); Saúde e Cuidados Pessoais (0,22% para 0,25%), com influência de artigos de higiene e cuidado pessoal (-0,08% para 0,06%); e Comunicação (0,07% para 0,09%), com serviços de streaming (0,02% para 0,13%).
Por outro lado, houve decréscimo nas taxas de Educação, Leitura e Recreação (-1,05% para -1,24%), com passagem aérea (-11,76% para -13,35%); Despesas Diversas (0,17% para 0,0%), com tarifa postal (9,66% para 5,56%); e Vestuário (0,12% para 0,01%), puxado por acessórios do vestuário (1,07% para -0,22%).
Nesta divulgação, as principais influências para cima sobre o IPC-S foram licenciamento e IPVA (estável em 1,4%), tomate (6,71% para 8,88%), plano e seguro de saúde (estável em 0,59%), cenoura (24,47% para 29,03%) e ovos (7,21% para 8,01%).
Por outro lado, puxaram o IPC-S para baixo a alcatra (-5,81% para -3,32%) e o perfume (-0,66% para -0,6%), além da passagem aérea, da gasolina e da tarifa de eletricidade residencial.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO