Porto Alegre, sábado, 26 de setembro de 2020.
Dia Nacional dos Surdos.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 26 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 18h51min, 13/03/2020.

Dólar sobe 3,9% na semana e fecha em novo recorde histórico por coronavírus

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, declarou "emergência nacional"

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, declarou "emergência nacional"


FREEPIK/REPRODUÇÃO/JC
Os ativos brasileiros tiveram melhora nesta sexta-feira (13), mas não o real. O dólar teve o terceiro dia seguido de alta, acumulando valorização de 3,94% na semana por conta da tensão causada mundialmente pela pandemia do coronavírus. Foi a pior semana desde o início de novembro do ano passado, quando houve a frustração com o leilão do pré-sal. Desde que a crise gerada pela disseminação do coronavírus se intensificou, no final de fevereiro, o Banco Central já injetou quase US$ 18 bilhões no mercado de câmbio, por meio de diversos instrumentos.
Os ativos brasileiros tiveram melhora nesta sexta-feira (13), mas não o real. O dólar teve o terceiro dia seguido de alta, acumulando valorização de 3,94% na semana por conta da tensão causada mundialmente pela pandemia do coronavírus. Foi a pior semana desde o início de novembro do ano passado, quando houve a frustração com o leilão do pré-sal. Desde que a crise gerada pela disseminação do coronavírus se intensificou, no final de fevereiro, o Banco Central já injetou quase US$ 18 bilhões no mercado de câmbio, por meio de diversos instrumentos.
No final da tarde desta sexta-feira, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, declarou "emergência nacional" no país e o dólar foi às máximas do dia, a R$ 4,88, com o real acompanhando outras divisas emergentes, que perderam valor em meio ao fortalecimento do dólar. No mercado à vista, o dólar terminou a sexta-feira em novo nível recorde, a R$ 4,8163. No ano, acumula alta de 20% no Brasil, o segundo pior desempenho em uma cesta de 34 moedas, atrás apenas da Colômbia, onde sobe 22%.
Em sessão marcada por volatilidade, o dólar chegou a cair pela manhã e no começo da tarde, batendo na mínima de R$ 4,64, mas o movimento perdeu força perto do fechamento. O responsável pela área de câmbio da Terra Investimentos, Vanei Nagen, ressalta que além das declarações de Trump sobre a emergência nacional, que fortaleceram o dólar mundialmente, a tradicional "cautela antes do final de semana" ajudou a pressionar o câmbio no final da tarde, especialmente em meio ao noticiário negativo sobre o coronavírus. Para ele, apesar do clima de pânico no mercado, a atuação do BC hoje e nos últimos dias tem ajudado a conter uma disparada ainda maior do dólar e fazer o real andar em linha com outras moedas emergentes.
O Banco Central injetou US$ 2 bilhões hoje por meio de leilão de linha (venda de dólar no mercado à vista com compromisso de recompra). Desde 27 de fevereiro, foram injetados US$ 17,8 bilhões em vendas quase diárias de swap cambial (venda de dólar no mercado futuro), ou dólar à vista ou leilão linha. Desse total, US$ 10 bilhões foram somente esta semana, marcada pelo dólar batendo em R$ 5,00.
O estrategista em Nova York do banco Natixis para América Latina, Benito Berber, acredita que o BC vai prosseguir com esta estratégia, especialmente se houver problemas de liquidez. Para Berber, o BC deve cortar os juros na semana que vem para 4%, mas não se pode descartar que a taxa básica, a Selic, caia abaixo deste nível, fator que pode pressionar o câmbio, pois deixa o Brasil ainda menos atrativo para estrangeiros. Ele não prevê o dólar abaixo de R$ 4,00 nos próximos 18 meses.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO