Porto Alegre, sábado, 26 de setembro de 2020.
Dia Nacional dos Surdos.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 26 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mercado Financeiro

- Publicada em 09h01min, 13/03/2020.

Após tombo histórico do Stoxx 600, bolsas europeias operam em forte alta

Bolsas europeias tiveram um pregão desastroso na quinta-feira

Bolsas europeias tiveram um pregão desastroso na quinta-feira


DANIEL ROLAND/AFP/JC
As bolsas europeias operam em forte alta na manhã desta sexta-feira (13), ensaiando uma recuperação após o tombo histórico do índice pan-europeu Stoxx 600 na véspera e na esteira de medidas anunciadas pelos bancos centrais da China e do Japão para amenizar o impacto econômico do coronavírus.
As bolsas europeias operam em forte alta na manhã desta sexta-feira (13), ensaiando uma recuperação após o tombo histórico do índice pan-europeu Stoxx 600 na véspera e na esteira de medidas anunciadas pelos bancos centrais da China e do Japão para amenizar o impacto econômico do coronavírus.
Na quinta-feira, o Stoxx 600 registrou a queda inédita de 11%, após o presidente americano, Donald Trump, decidir suspender todos os voos da Europa para os EUA por um período de 30 dias, abrindo exceção para o Reino Unido. Trump, porém, admitiu posteriormente que poderá rever a decisão.
A dramática queda de quinta veio também após a reunião de política monetária do Banco Central Europeu (BCE), que anunciou novos empréstimos de longo prazo para apoiar empresas prejudicadas pelo coronavírus, mas manteve suas taxas de juros inalteradas, contrariando a expectativa da maioria dos analistas.
Desde a semana passada, governos e BCs têm anunciado medidas com o intuito de amenizar o impacto econômico da doença. Ao contrário do BCE, tanto o Federal Reserve (Fed, o BC dos EUA) quanto o Banco da Inglaterra (BoE, pela sigla em inglês) anunciaram recentes cortes de juros, em caráter extraordinário. Hoje, foi a vez do BC da Noruega, que reduziu sua taxa básica em 0,5 ponto porcentual, a 1%.
Já na Ásia, o Banco do Povo da China (PBoC) anunciou mais cedo um novo corte de compulsórios, que deve liberar o equivalente a US$ 78,7 bilhões para o sistema bancário local, enquanto o Banco do Japão (BoJ) prometeu fornecer ampla liquidez a empresas financeiras a partir da próxima semana.
O coronavírus já infectou mais de 128 mil pessoas mundialmente, causando mais de 4.700 mortes, segundo os números mais recentes da Universidade John Hopkins. A Itália continua sendo o país mais afetado na Europa, com mais de 15 mil casos e cerca de 1.000 óbitos.
A agenda de indicadores da Europa desta sexta-feira (13) trouxe apenas dados finais da inflação ao consumidor da Alemanha, cuja taxa anual ficou inalterada em fevereiro ante o mês anterior, em 1,7%, confirmando estimativa preliminar.
Às 8h11 (de Brasília), a Bolsa de Londres subia 5,45%, a de Frankfurt avançava 4,86% e a de Paris se valorizava 5,97%. Em Milão, Madri e Lisboa, os ganhos eram de 11,61%, 8,26% e 6,22%, respectivamente. Já o Stoxx 600 tinha alta de 5,02%, a 311,40 pontos.
No câmbio, o euro se enfraquecia a US$ 1,1155, de US$ 1,1198 no fim da tarde de quinta, e a libra seguia a mesma direção, cotada a US$ 1,2576, ante US$ 1,2617 na quinta.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO