Porto Alegre, sábado, 26 de setembro de 2020.
Dia Nacional dos Surdos.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 26 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 08h14min, 13/03/2020.

Bolsas asiáticas seguem tombos de NY e Europa, mas Sydney se recupera

Na Ásia, mais uma vez bolsas apresentaram queda devido ao coronavírus

Na Ásia, mais uma vez bolsas apresentaram queda devido ao coronavírus


NICOLAS ASFOURI/AFP/JC
As bolsas asiáticas tiveram mais um pregão de fortes perdas nesta sexta-feira (13), na esteira de quedas históricas nos mercados acionários dos EUA e da Europa, em meio a persistentes temores com o avanço do coronavírus em países fora da China, onde a doença teve origem. Na Oceania, porém, a bolsa australiana conseguiu se recuperar parcialmente, num dia de extrema volatilidade.
As bolsas asiáticas tiveram mais um pregão de fortes perdas nesta sexta-feira (13), na esteira de quedas históricas nos mercados acionários dos EUA e da Europa, em meio a persistentes temores com o avanço do coronavírus em países fora da China, onde a doença teve origem. Na Oceania, porém, a bolsa australiana conseguiu se recuperar parcialmente, num dia de extrema volatilidade.
O índice japonês Nikkei sofreu um tombo de 6,08% em Tóquio, o maior desde junho de 2016, encerrando os negócios a 17.431,05 pontos, no menor nível desde novembro de 2016. Já o sul-coreano Kospi caiu 3,43% em Seul, a 1.771,44 pontos, o menor patamar desde julho de 2012, depois de chegar a se desvalorizar mais de 8%, acionando um dispositivo de circuit breaker que interrompeu os negócios por 20 minutos.
Na China continental, os mercados mais uma vez tiveram perdas relativamente menores, em meio a expectativas de que o PBoC - como é conhecido o BC chinês - volte a reduzir compulsórios bancários. O Xangai Composto recuou 1,23%, a 2.887,43 pontos, e o menos abrangente Shenzhen Composto cedeu 1,08%, a 1.798,98 pontos.
O Hang Seng caiu 1,14%, a 24.032,91 pontos, menor nível desde abril de 2017. No começo da sessão, porém, o índice de Hong Kong chegou a despencar 7,4%. Em Taiwan, o Taiex registrou baixa de 2,82%, a 10.128,87 pontos.
A liquidação de ações na Ásia veio um dia depois de violentas perdas nos mercados americanos e europeus. Em Nova Iorque, o índice Dow Jones sofreu ontem queda de 9,99%, a maior desde outubro de 1987. O índice pan-europeu Stoxx 600, por sua vez, caiu 11%, o maior tombo de sua história. Embora tenha perdido força na Ásia, o coronavírus continua se alastrando pela Europa e EUA.
Desde a semana passada, governos e bancos centrais têm anunciado medidas com o intuito de amenizar o impacto econômico da doença. Tanto o Federal Reserve (Fed, o BC dos EUA) quanto o Banco da Inglaterra (BoE, pela sigla em inglês) anunciaram recentes cortes de juros extraordinários. Já o Banco Central Europeu (BCE) decepcionou ontem, ao manter seus juros inalterados, embora tenha anunciado novos empréstimos de longo prazo.
A maior bolsa da Oceania, a da Austrália, chegou a cair 8,1%, mas se recuperou no fim do pregão, após o governo do país anunciar novas medidas para conter o vírus, incluindo a proibição de aglomerações públicas. O S&P/ASX 200 avançou 4,42% em Sydney, a 5.539,30 pontos, mas permaneceu em "bear market", acumulando perdas de mais de 20% desde que atingiu seu pico mais recente.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO