Porto Alegre, sábado, 26 de setembro de 2020.
Dia Nacional dos Surdos.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 26 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

conjuntura

- Publicada em 09h38min, 11/03/2020. Atualizada em 11h24min, 11/03/2020.

Inflação oficial fecha fevereiro em 0,25%, divulga IBGE

Gastos com Saúde e cuidados pessoais tiveram alta e ajudaram a pressionar inflação do mês

Gastos com Saúde e cuidados pessoais tiveram alta e ajudaram a pressionar inflação do mês


MARCELO G. RIBEIRO/ARQUIVO/JC
O IPCA, índice oficial de inflação no país fechou fevereiro em 0,25%, contra 0,21% registrados no mês anterior, informou nesta quarta-feira (11) o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Apesar da alta em relação a janeiro, foi o menor índice para o mês desde 2000. Em fevereiro de 2019, segundo o IBGE, a inflação foi de 0,43%.
O IPCA, índice oficial de inflação no país fechou fevereiro em 0,25%, contra 0,21% registrados no mês anterior, informou nesta quarta-feira (11) o IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística). Apesar da alta em relação a janeiro, foi o menor índice para o mês desde 2000. Em fevereiro de 2019, segundo o IBGE, a inflação foi de 0,43%.
No ano, a inflação é de 0,46%. Em 12 meses, o índice acumula alta de 4,01%, em linha com a meta estabelecida pelo Banco Central para o fim de 2020, de 4%. No último relatório Focus, do Banco Central, o mercado projetava que o índice chegaria a dezembro em 3,20%.
De acordo com o IBGE, a inflação de fevereiro foi pressionada por gastos com educação e saúde, mas por outro lado teve alívio da redução dos preços da energia e da gasolina.
Os gastos com educação cresceram 3,7% no mês, puxados principalmente pelo reajustes em cursos regulares (4,42%). Já o grupo saúde e cuidados pessoais foi pressionado pelos itens de higiene pessoal, que cresceram 2.12% em fevereiro.
Na ponta negativa, a contribuição mais intensa é do grupo habitação (queda de 0,39%), com a redução de 1,71% no custo da energia elétrica após o fim da cobrança de bandeira tarifária na conta de luz. O grupo transportes também teve queda, de 0,23% devido aos menores preços da gasolina (-0,72%) e passagens aéreas (-6,85%).
Folhapress
Comentários CORRIGIR TEXTO