Porto Alegre, sábado, 26 de setembro de 2020.
Dia Nacional dos Surdos.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 26 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Aviação

- Publicada em 17h03min, 09/03/2020.

MPF recorre contra decisão do Cade que autoriza acordo entre Boeing e Embraer

Operação Boeing-Embraer inclui a comercialização do cargueiro KC-390, desenvolvido pela Embraer

Operação Boeing-Embraer inclui a comercialização do cargueiro KC-390, desenvolvido pela Embraer


Embraer/Divulgação/JC
O Ministério Público Federal (MPF) apresentou novo recurso contra autorização do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) para venda do controle da divisão de aviação comercial da Embraer à Boeing. O acordo foi aprovado pelo órgão antitruste do governo federal sem restrições em janeiro, mas a Procuradoria afirma haver "obscuridade e contradição" nos termos da decisão.
O Ministério Público Federal (MPF) apresentou novo recurso contra autorização do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) para venda do controle da divisão de aviação comercial da Embraer à Boeing. O acordo foi aprovado pelo órgão antitruste do governo federal sem restrições em janeiro, mas a Procuradoria afirma haver "obscuridade e contradição" nos termos da decisão.
A operação Boeing-Embraer se trata de uma joint venture estimada em US$ 4,2 bilhões, incluindo a comercialização do cargueiro KC-390, desenvolvido pela Embraer. 
Apesar de ter iniciado em 2018, a parceria recebeu aval do governo de Jair Bolsonaro (sem partido) no final do ano passado.
O primeiro recurso foi negado pelo tribunal do Cade, que apontou falta de legitimidade do MPF para tratar de casos de concentração já aprovados pela Superintendência-Geral do Cade, destacando o papel do Conselho como responsável pela defesa da ordem econômica.
De acordo com o Ministério Público Federal, a decisão foi marcada por contradição, visto que o próprio MPF também citado como órgão que deve fazer a "execução judicial dos julgados do Cade".
A subprocuradora-geral responsável pelo caso, Samantha Dobrowolski, pede ao Tribunal do Cade que reveja a decisão de negar o recurso inicial e anule a decisão proferida pelo conselho.
Segundo o MPF, a operação econômica entre as duas empresas pode levar à "ampliação indevida do poder de portfólio da Boieng" e atingir empresas de aviação de menor porte.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO
Economia - MPF recorre contra decisão do Cade que autoriza acordo entre Boeing e Embraer
Porto Alegre, sábado, 26 de setembro de 2020.
Dia Nacional dos Surdos.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 26 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Aviação

- Publicada em 17h03min, 09/03/2020.

MPF recorre contra decisão do Cade que autoriza acordo entre Boeing e Embraer

Operação Boeing-Embraer inclui a comercialização do cargueiro KC-390, desenvolvido pela Embraer

Operação Boeing-Embraer inclui a comercialização do cargueiro KC-390, desenvolvido pela Embraer


Embraer/Divulgação/JC
O Ministério Público Federal (MPF) apresentou novo recurso contra autorização do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) para venda do controle da divisão de aviação comercial da Embraer à Boeing. O acordo foi aprovado pelo órgão antitruste do governo federal sem restrições em janeiro, mas a Procuradoria afirma haver "obscuridade e contradição" nos termos da decisão.
O Ministério Público Federal (MPF) apresentou novo recurso contra autorização do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) para venda do controle da divisão de aviação comercial da Embraer à Boeing. O acordo foi aprovado pelo órgão antitruste do governo federal sem restrições em janeiro, mas a Procuradoria afirma haver "obscuridade e contradição" nos termos da decisão.
A operação Boeing-Embraer se trata de uma joint venture estimada em US$ 4,2 bilhões, incluindo a comercialização do cargueiro KC-390, desenvolvido pela Embraer. 
Apesar de ter iniciado em 2018, a parceria recebeu aval do governo de Jair Bolsonaro (sem partido) no final do ano passado.
O primeiro recurso foi negado pelo tribunal do Cade, que apontou falta de legitimidade do MPF para tratar de casos de concentração já aprovados pela Superintendência-Geral do Cade, destacando o papel do Conselho como responsável pela defesa da ordem econômica.
De acordo com o Ministério Público Federal, a decisão foi marcada por contradição, visto que o próprio MPF também citado como órgão que deve fazer a "execução judicial dos julgados do Cade".
A subprocuradora-geral responsável pelo caso, Samantha Dobrowolski, pede ao Tribunal do Cade que reveja a decisão de negar o recurso inicial e anule a decisão proferida pelo conselho.
Segundo o MPF, a operação econômica entre as duas empresas pode levar à "ampliação indevida do poder de portfólio da Boieng" e atingir empresas de aviação de menor porte.
Agência Estado
Comentários CORRIGIR TEXTO