Porto Alegre, terça-feira, 21 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 21 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Conjuntura Internacional

- Publicada em 11h47min, 05/03/2020. Atualizada em 11h46min, 05/03/2020.

IIF reduz previsão de expansão global para menor avanço desde crise de 2008

Decisão do banco central dos EUA de cortar taxa de juros deve influenciar economias emergentes

Decisão do banco central dos EUA de cortar taxa de juros deve influenciar economias emergentes


KAREN BLEIER/AFP/JC
O Instituto de Finanças Internacionais (IIF, na sigla em inglês) estima que o crescimento da economia global deve desacelerar a 1% em 2020, ritmo mais fraco desde a crise financeira de 2008, como efeito do choque causado pelo coronavírus. Em relatório, a instituição também reduziu as previsões para o avanço do Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos (de 2% para 1,3%) e da China (de 5,6% para "pouco menos" de 4%).
O Instituto de Finanças Internacionais (IIF, na sigla em inglês) estima que o crescimento da economia global deve desacelerar a 1% em 2020, ritmo mais fraco desde a crise financeira de 2008, como efeito do choque causado pelo coronavírus. Em relatório, a instituição também reduziu as previsões para o avanço do Produto Interno Bruto (PIB) dos Estados Unidos (de 2% para 1,3%) e da China (de 5,6% para "pouco menos" de 4%).
"Há claros abalos na cadeia de fornecimento da indústria, mas o foco das potenciais consequências do vírus na economia será no setor de serviços, no qual o impacto depende da escala da transmissão e do alcance medidas de contenção", avalia o IIF.
No entendimento do instituto, o corte extraordinário do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) de 50 pontos-base em sua taxa básica de juros abre espaço para que BCs de economias emergentes façam o mesmo.
"Um ciclo de afrouxamento coordenado poderia trazer crescimento de volta aos emergentes e proteger a economia global do coronavírus", destaca o IIF.
Comentários CORRIGIR TEXTO