Porto Alegre, sábado, 26 de setembro de 2020.
Dia Nacional dos Surdos.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 26 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado de capitais

- Publicada em 03h00min, 05/03/2020.

Sequência de 11 altas do dólar é a maior em 21 anos

Cotação da divisa norte-americana alcançou R$ 4,5801 na sessão

Cotação da divisa norte-americana alcançou R$ 4,5801 na sessão


/FREEPIK/DIVULGAÇÃO/JC
A cotação do dólar foi ao seu décimo recorde nominal (sem contar a inflação) seguido nesta quarta-feira (4) e a 11ª sessão consecutiva de valorização. A moeda no mercado à vista fechou a R$ 4,5801, alta de 1,52%. O dólar futuro para abril encostou em R$ 4,60
A cotação do dólar foi ao seu décimo recorde nominal (sem contar a inflação) seguido nesta quarta-feira (4) e a 11ª sessão consecutiva de valorização. A moeda no mercado à vista fechou a R$ 4,5801, alta de 1,52%. O dólar futuro para abril encostou em R$ 4,60
A sequência de 11 altas seguidas é a maior desde janeiro de 1999. O movimento é fruto da aposta de investidores em juros mais baixos no Brasil. O mercado projeta a Selic entre 3,75% e 3,5% ao final do ano.
A pressão no real devido a juros mais baixos no Brasil, que levam o estrangeiro a tirar dólares do país, levou a moeda brasileira a ter o pior desempenho do mundo em 2020, com desvalorização de 14%. Desde 30 de dezembro de 2019, quando a moeda estava a R$ 4,014, o dólar ficou R$ 0,57 mais caro.
A alta do dólar em 2020 já é a quarta maior valorização anual da década e a sétima maior do século. A depreciação do real acompanha a queda da Selic, que já teve cinco cortes no governo de Jair Bolsonaro. De 6,50% ao ano em julho de 2019 a taxa foi para 4,25%.
A Selic na mínima histórica também contribui para o dólar elevado por meio do carry trade, prática de investimento em que o ganho está na diferença do câmbio e dos juros. Nela, o investidor toma dinheiro a uma taxa de juros menor em um país, no caso, os Estados Unidos, para aplicá-lo em outro, com outra moeda, onde o juro é maior, o Brasil. Com a Selic a 4,25%, essa operação deixa de ser vantajosa e estrangeiros retiram seus recursos, em dólar, do país, o que eleva a cotação.
Na terça-feira (3), para amenizar os impactos econômicos do coronavírus, o Fed, banco central americano, cortou, de maneira inesperada, o juros dos EUA em 0,50 ponto percentual. O movimento abriu margem para o Banco Central (BC) brasileiro cortar o juro novamente na próxima reunião de política monetária no dia 18.
Ainda na terça, o BC soltou um comunicado que aumentou ainda mais a expectativa de investidores por reduções na Selic. O banco disse que acompanha a evolução do coronavírus e os recentes movimentos do mercado.
Os acontecimentos levaram a cotação a ter forte alta nesta quarta. Durante o pregão, o BC interveio e anunciou oferta de 20 mil contratos de swap cambial, equivalentes a US$ 1 bilhão, a serem vendidos nesta quinta-feira (5).
Na prática, a operação promoverá o aumento da oferta da moeda, já que o BC oferece contratos que remuneram o investidor pela variação cambial, o que ajuda a reduzir o preço do dólar.
A Bolsa por outro lado, teve um dia positivo. O Ibovespa fechou em alta de 1,60%, a 107.224 pontos, maior valor desde 21 de fevereiro, antes das fortes quedas do mercado pós-Carnaval. 
O índice seguiu o exterior positivo, que também teve sessões de recuperação. Em Nova York, o Dow Jones subiu 4,53%, o S&P 500 4,22% e o Nasdaq 3,85%.
Com o dólar agora na faixa de R$ 4,58, impulso especial para as ações de exportadoras como Suzano ( 9,01%), na ponta positiva do Ibovespa na sessão, e Klabin ( 6,06%), terceiro melhor desempenho no dia. Destaque também para as blue chips Vale ( 4,79%) e Petrobras PN ( 3,22%).

Bolsa fecha em alta de 1,60%

Bolsa
Bolsa
Bolsa

O Ibovespa teve mais uma sessão volátil nesta quarta-feira (4), mas conseguiu se firmar em alta no meio da tarde e fechar o dia em terreno positivo, com ganhos também espalhados no exterior em meio à percepção de que o afrouxamento das condições de liquidez em escala global contribui para sustentar os preços dos ativos de risco, ao menos em um primeiro momento. Com o dólar agora na faixa de R$ 4,58, em nova máxima histórica intradia e de fechamento, impulso especial para as ações de exportadoras como Suzano ( 9,01%), na ponta positiva do Ibovespa na sessão, e Klabin ( 6,06%), terceiro melhor desempenho no dia. Destaque também para as blue chips Vale ( 4,79%) e Petrobras PN ( 3,22%).

Com ganhos bem disseminados por empresas e setores, o principal índice da B3 fechou o dia em alta de 1,60%, a 107.224 pontos, após perda de 1,02% no dia anterior. Em Nova York, os ganhos ficaram perto ou acima de 4%, revertendo as perdas de ontem no Dow Jones, S&P 500 e Nasdaq. Por aqui, a curva de juros segue se ajustando para baixo, em impulso que ganhou dinamismo após a nota de terça-feira à noite do Banco Central (BC), que levou o mercado a dobrar a aposta para a próxima reunião do Copom, nos dias 17 e 18, antecipando agora corte de até 0,50 ponto porcentual na Selic já nesta reunião de março.

Na B3, o giro financeiro totalizou R$ 29,1 bilhões, após ter ficado acima de R$ 30 bilhões nas cinco sessões anteriores. Na semana, o Ibovespa acumula ganho de 2,93% e, no ano, cede 7,28%.

Comentários CORRIGIR TEXTO