Porto Alegre, quarta-feira, 04 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Mercado financeiro

04/03/2020 - 15h26min. Alterada em 04/03 às 15h26min

Bolsas da Europa fecham em alta, à espera de estímulos de BCs e acompanhando NY

Cautela com coronavírus e impactos na economia não impediu otimismo nas praças europeias

Cautela com coronavírus e impactos na economia não impediu otimismo nas praças europeias


GABRIELA DI BELLA/ARQUIVO/JC
As bolsas europeias fecharam em alta nesta quarta-feira (4) com a percepção de que bancos centrais responderão com estímulos aos impactos econômicos do coronavírus. O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 1,36%, em 386,30 pontos.
As bolsas europeias fecharam em alta nesta quarta-feira (4) com a percepção de que bancos centrais responderão com estímulos aos impactos econômicos do coronavírus. O índice pan-europeu Stoxx 600 fechou em alta de 1,36%, em 386,30 pontos.
Investidores já precificam um novo corte de juros do Banco Central Europeu (BCE), na esteira da redução anunciada na terça-feira (3) pelo Federal Reserve (Fed, o banco central americano). Os ganhos, ainda, acompanharam as bolsas de Nova York, que foram impulsionadas após o ex-vice-presidente Joe Biden tomar a frente da corrida pela indicação do Partido Democrata às eleições presidenciais dos Estados Unidos de novembro.
Mesmo com a cautela diante do coronavírus e seus impactos na economia, continuou a haver otimismo nas praças europeias em meio à perspectiva de mais estímulos, também acompanhando Nova York - as bolsas de Wall Street foram impulsionadas pelo fortalecimento da candidatura de Jose Biden, que passou à frente do autodeclarado socialista Bernie Sanders. "O Fed deu o tom ontem ao entregar um corte de juros de 50 pontos-base e acreditamos que o BCE também baixará juros na próxima semana", avalia Liam Peach, da Capital Economics. A próxima reunião de política monetária do BCE é na quinta-feira (12), mas um corte extraordinário não está descartado no mercado.
Com estímulos monetários em foco, na Bolsa de Londres, o índice FTSE 100 fechou com ganho de 1,45%, em 6.815,59 pontos. Em Frankfurt, o índice DAX avançou 1,19%, a 12.127,69 pontos, com ganhos de 4,35% da Bayer e 2,62% da Daimler.
Ainda entre as montadoras, a Peugeot subiu 1,06% na Bolsa de Paris, onde o índice CAC 40 fechou em alta de 1,33%, a 5.464,89 pontos. O índice FTSE MIB, da Bolsa de Milão, por sua vez, ganhou 0,91%, a 21.946,03 pontos, com alta de 5,74% nas ações da Enel.
Em Madri, o índice IBEX 35 avançou 1,12%, a 8.910,00 pontos. Na Bolsa de Lisboa, o índice PSI 20 subiu 1,59%, a 4.967,93 pontos.