Porto Alegre, quarta-feira, 04 de março de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Transportes

Notícia da edição impressa de 04/03/2020. Alterada em 04/03 às 03h00min

Aviação teve "resiliência surpreendente" em 2019, afirma ministro

Tarcísio Gomes de Freitas participou da cerimônia de entrega do Prêmio Aeroportos   Brasil 2020

Tarcísio Gomes de Freitas participou da cerimônia de entrega do Prêmio Aeroportos Brasil 2020


/MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL/JC
O ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, disse nesta terça-feira (3), que o mercado brasileiro de aviação mostrou "resiliência surpreendente" no ano de 2019, citando problemas enfrentados, como a saída da Avianca e com o Boeing 737 MAX. Entre os indicadores citados está a queda no preço das passagens aéreas. "As passagens aéreas já começaram a cair, estamos começando a equilibrar oferta e demanda", disse durante a cerimônia do Prêmio Aeroportos Brasil. O preço médio real da tarifa no mercado doméstico observou queda de 5,7% em dezembro, em relação ao mesmo período de 2018.
O ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas, disse nesta terça-feira (3), que o mercado brasileiro de aviação mostrou "resiliência surpreendente" no ano de 2019, citando problemas enfrentados, como a saída da Avianca e com o Boeing 737 MAX. Entre os indicadores citados está a queda no preço das passagens aéreas. "As passagens aéreas já começaram a cair, estamos começando a equilibrar oferta e demanda", disse durante a cerimônia do Prêmio Aeroportos Brasil. O preço médio real da tarifa no mercado doméstico observou queda de 5,7% em dezembro, em relação ao mesmo período de 2018.
Ao parabenizar as companhias e aeroportos vencedores do prêmio, o ministro afirmou que o programa de concessões aeroportuárias foi responsável por conferir um impulso de qualidade no setor. Para Freitas, a Infraero também "aprendeu" com as concessões, e agora "disputa de igual para igual", citando os prêmios levados pelo Aeroporto Internacional de Curitiba Afonso Pena.
O Afonso Pena está na lista de 22 aeroportos que serão concedidos à iniciativa privada na sexta rodada de concessões, marcada para ocorrer neste ano. O terminal dividiu com Viracopos o prêmio 'Aeroporto Brasil' (melhor do País na opinião dos passageiros) na categoria de aeroportos com entre 5 e 15 milhões de passageiros.
Com até 5 milhões, o vencedor foi o Aeroporto Eurico de Aguiar Salles, em Vitória, e, com mais de 15 milhões, o prêmio foi para o Aeroporto internacional de Brasília Juscelino Kubitschek - concedido à iniciativa privada em leilão realizado em 2012 e operado pela Inframérica.
Em recuperação judicial, Viracopos conquistou também outros prêmios: de mais serviços ao passageiro em aeroportos com 5 a 15 milhões de passageiros (categoria que dividiu com o Afonso Pena); e de Aeroporto com Raio X mais eficiente com entre 5 e 15 milhões de passageiros.
O plano de recuperação judicial de Viracopos foi aprovado em fevereiro, e o governo já trabalha para fazer a relicitação. No mês passado, o Ministério da Infraestrutura publicou o edital de chamamento para empresas e consórcios autorizados a apresentarem projetos, levantamentos, investigações e estudos que subsidiarão a modelagem da concessão para expansão, exploração e manutenção de Viracopos. Segundo Freitas, o aeroporto vai entrar na carteira do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) de imediato.