Porto Alegre, terça-feira, 03 de março de 2020.
Dia do Meteorologista.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

comércio exterior

Notícia da edição impressa de 03/03/2020. Alterada em 03/03 às 03h00min

Balança comercial tem superávit de US$ 3,096 bilhões em fevereiro

Montante de embarques foi suficiente para reverter déficit de janeiro

Montante de embarques foi suficiente para reverter déficit de janeiro


/MARCELO G. RIBEIRO/arquivo/JC

A balança comercial brasileira voltou ao azul em fevereiro, quando registrou superávit de US$ 3,096 bilhões. Os dados foram divulgados nesta segunda-feira (2) pela Secretaria de Comércio Exterior, do Ministério da Economia.  O saldo de fevereiro é pouco menor do que o registrado no mesmo mês do ano passado, quando o resultado foi positivo em US$ 3,116 bilhões.

A balança comercial brasileira voltou ao azul em fevereiro, quando registrou superávit de US$ 3,096 bilhões. Os dados foram divulgados nesta segunda-feira (2) pela Secretaria de Comércio Exterior, do Ministério da Economia.  O saldo de fevereiro é pouco menor do que o registrado no mesmo mês do ano passado, quando o resultado foi positivo em US$ 3,116 bilhões.

 O montante de fevereiro foi suficiente para reverter o déficit registrado em janeiro e o primeiro bimestre acumula saldo positivo em US$ 1,361 bilhão.

 No mês, as exportações somaram US$ 16,355 bilhões, uma alta de 15,5% ante fevereiro de 2019. Já as importações chegaram a US$ 13,259 bilhões, uma alta de 16,7% na mesma comparação.

 No mês, houve alta nas vendas de produtos básicos (26,2%), semimanufaturados (6,2%) e básicos (4%). Pelo lado das importações, aumentaram as compras de bens de capital ( 102,2%), combustíveis e lubrificantes (32,2%), bens intermediários (3,2%) e bens de consumo (2,2%).