Porto Alegre, terça-feira, 21 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
terça-feira, 21 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Conjuntura

- Publicada em 12h02min, 28/02/2020. Atualizada em 12h02min, 28/02/2020.

Indicador de Incerteza da Economia sobe em fevereiro

Agência Brasil
O Indicador de Incerteza da Economia (IIE-Br), calculado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), voltou a subir em fevereiro e atingiu 115,1 pontos, o maior nível desde setembro do ano passado, quando estava em 116,9. Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (28), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre).
O Indicador de Incerteza da Economia (IIE-Br), calculado pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), voltou a subir em fevereiro e atingiu 115,1 pontos, o maior nível desde setembro do ano passado, quando estava em 116,9. Os dados foram divulgados nesta sexta-feira (28), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Economia (Ibre).
A pontuação está perto da média dos últimos cinco anos: 115 pontos. Por se situar acima dos 110 pontos em praticamente todos os meses desde julho de 2015, o índice está um patamar considerado elevado.
A FGV avalia que, nos últimos meses, o índice foi impactado pela guerra comercial entre Estados Unidos e China, pelo conflito entre Estados Unidos e Irã e pelo avanço da epidemia de coronavírus na Ásia e na Europa.
A alta de 2,2 pontos em fevereiro se deu nos dois componentes do índice. O componente Mídia, que mede as notícias sobre a incerteza na economia na imprensa, contribuiu com 1,2 ponto para o aumento.
O outro ponto de acréscimo se deve às previsões dos analistas econômicos ouvidos na pesquisa Focus do Banco Central, que projeta números para a taxa de câmbio, a taxa Selic e a inflação. Essas avaliações são contabilizadas no componente Expectativas do indicador.
Comentários CORRIGIR TEXTO