Porto Alegre, sexta-feira, 28 de fevereiro de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Sistema financeiro

Notícia da edição impressa de 28/02/2020. Alterada em 28/02 às 03h00min

Taxa de juros no crédito livre sobe a 33,7%

Concessões para todas as modalidades de crédito registraram queda no confronto janeiro e dezembro

Concessões para todas as modalidades de crédito registraram queda no confronto janeiro e dezembro


/STEVE BUISSINNE POR PIXABAY/DIVULGAÇÃO/JC
A taxa média de juros no crédito livre subiu de 33,4% ao ano em dezembro para 33,7% ao ano em janeiro, informou nesta quinta-feira, o Banco Central. Em janeiro de 2019, essa taxa estava em 37,1% ao ano. Para pessoa física, a taxa média de juros no crédito livre passou de 46% para 45,6% ao ano de dezembro para janeiro, enquanto para pessoa jurídica foi de 16,3% para 17,6% ao ano.
A taxa média de juros no crédito livre subiu de 33,4% ao ano em dezembro para 33,7% ao ano em janeiro, informou nesta quinta-feira, o Banco Central. Em janeiro de 2019, essa taxa estava em 37,1% ao ano. Para pessoa física, a taxa média de juros no crédito livre passou de 46% para 45,6% ao ano de dezembro para janeiro, enquanto para pessoa jurídica foi de 16,3% para 17,6% ao ano.
Entre as principais linhas de crédito livre para a pessoa física, destaque para o cheque especial, cuja taxa passou de 247,6% ao ano para 165,6% ao ano de dezembro para janeiro. No crédito pessoal, a taxa passou de 36,8% para 39,3% ao ano. Desde julho de 2018, os bancos estão oferecendo um parcelamento para dívidas no cheque especial. A opção vale para débitos superiores a R$ 200,00. A expectativa da Federação Brasileira de Bancos (Febraban) era de que essa migração do cheque especial para linhas mais baratas acelerasse a tendência de queda do juro cobrado ao consumidor.
Em função da ineficácia da autorregulação da Febraban, o BC anunciou a limitação dos juros do cheque especial em 8% ao ano (151,82% ao ano). A nova regra começou a valer em 6 de janeiro. Os dados divulgados nesta quinta pelo BC já refletem esta limitação do custo do cheque especial.
Além da limitação do juro, os dados desta quinta refletem uma revisão realizada na série histórica do BC. De acordo com a autarquia, os números passaram a considerar o fato de alguns bancos cobrarem juro no cheque especial apenas após 10 dias de atraso no pagamento da fatura. Antes, era considerado todo o período de atraso. Esta mudança fez com que o nível do juro no cheque especial, na nova série histórica, fosse menor em anos anteriores. Os números do Banco Central mostraram ainda que, para aquisição de veículos, os juros foram de 19,2% ao ano em dezembro para 19,7% em janeiro. A taxa média de juros no crédito total, que inclui operações livres e direcionadas (com recursos da poupança e do BNDES), foi de 22,6% ao ano em dezembro para 23,0% ao ano em janeiro. Em janeiro de 2019, estava em 24,4%.
Já o Indicador de Custo de Crédito (ICC) caiu 0,1 ponto percentual em janeiro ante dezembro, aos 20,2% ao ano. O percentual reflete o volume de juros pagos, em reais, por consumidores e empresas no mês, considerando todo o estoque de operações, dividido pelo próprio estoque. Na prática, o indicador reflete a taxa de juros média efetivamente paga pelo brasileiro nas operações de crédito contratadas no passado e ainda em andamento.
O spread bancário médio no crédito livre passou de 27,9 pontos percentuais em dezembro para 28,3 pontos percentuais em janeiro, informou o Banco Central. O spread médio da pessoa física no crédito livre foi de 40,2 para 40,0 pontos percentuais no período. Para pessoa jurídica, o spread médio passou de 11,1 para 12,6 pontos percentuais. O spread médio do crédito direcionado foi de 4,0 para 4,3 pontos percentuais na passagem de dezembro para janeiro. Já o spread médio no crédito total (livre e direcionado) foi de 17,8 para 18,3 pontos percentuais no período.
As concessões no crédito livre caíram 19,3% em janeiro ante dezembro, para R$ 301,6 bilhões, Houve avanço de 14,6% em 12 meses até janeiro. No crédito para pessoas físicas, as concessões caíram 8,6% em janeiro ante dezembro, para R$ 169,1 bilhões. Em 12 meses até janeiro, há alta de 15,3%. Já no caso de pessoas jurídicas, as concessões caíram 29,9% em janeiro ante dezembro, para R$ 132,5 bilhões. Em 12 meses até janeiro, o avanço é de 14%.
A taxa de inadimplência no crédito livre foi de 3,7% para 3,8% na passagem de dezembro para janeiro, informou o Banco Central. Para pessoa física, a taxa de inadimplência foi de 5% para 4,9%. Para as empresas, a taxa passou de 2,1% para 2,3%. Já a inadimplência do crédito direcionado seguiu em 1,9% na passagem de dezembro para janeiro.

Endividamento alcança 45,1%

Sem as dívidas imobiliárias, indicador do BC fica em 26,3%
Sem as dívidas imobiliárias, indicador do BC fica em 26,3%
/Freepik/JC
O endividamento das famílias brasileiras com o sistema financeiro ficou em 45,1% em dezembro, igual ao verificado em novembro, informou nesta quinta o Banco Central. Se forem descontadas as dívidas imobiliárias, o endividamento ficou em 26,3% em dezembro, também igual a novembro. O cálculo do BC leva em conta o total das dívidas dividido pela renda no período de 12 meses. Além disso, incorpora os dados da Pesquisa Nacional de Amostragem Domiciliar (Pnad) contínua e da Pesquisa Mensal de Emprego (PME), ambas do IBGE.
Segundo o BC, o comprometimento de renda das famílias com o Sistema Financeiro Nacional (SFN) atingiu 20,2% em dezembro, mesmo percentual de novembro. Descontados os empréstimos imobiliários, o comprometimento da renda ficou em 17,8% em dezembro, igual ao visto em novembro.