Porto Alegre, sábado, 26 de setembro de 2020.
Dia Nacional dos Surdos.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 26 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Indústria Automotiva

- Publicada em 11h49min, 27/02/2020. Atualizada em 17h41min, 27/02/2020.

Marcopolo registra faturamento recorde de R$ 4,3 bilhões em 2019

O lucro líquido da Marcopolo cresceu 11,1% no ano passado, chegando a R$ 212 milhões

O lucro líquido da Marcopolo cresceu 11,1% no ano passado, chegando a R$ 212 milhões


MARCOPOLO/DIVULGAÇÃO/JC
A Marcopolo registrou faturamento recorde em 2019, batendo em R$ 4,3 bilhões, segundo balanço divulgado pela companhia nesta quinta-feira (27). O lucro líquido da Marcopolo cresceu 11,1% no passado, chegando a R$ 212 milhões. A demanda do mercado brasileiro, disse a empresa, impulsionou a produção da maior fabricante de ônibus nas Américas e uma das gigantes no mundo.
A Marcopolo registrou faturamento recorde em 2019, batendo em R$ 4,3 bilhões, segundo balanço divulgado pela companhia nesta quinta-feira (27). O lucro líquido da Marcopolo cresceu 11,1% no passado, chegando a R$ 212 milhões. A demanda do mercado brasileiro, disse a empresa, impulsionou a produção da maior fabricante de ônibus nas Américas e uma das gigantes no mundo.
A receita líquida cresceu 2,8% em relação ao ano anterior, que havia somado R$ 4,197 bilhões. A empresa informou que a demanda do mercado brasileiro, que representou 52,2% da receita, teve alta de 17,6%, ficando em R$ 2,252 bilhões, ante R$ 1,916 bilhão de 2018.
A produção global consolidada da Marcopolo totalizou 15.741 unidades, 2,2% inferior às 16.103 fabricadas no exercício de 2018. Desse total, 13.330 unidades foram produzidas no Brasil e as demais 2.411 unidades no exterior.
Mesmo com os número, José Antonio Valiati, CFO e diretor de Relações com Investidores da Marcopolo, afirmou, em nota, que 2019 foi marcado pela "inconstância da demanda". O fornecimento ao mercado brasileiro cresceu 2,9% (10.532 unidades), mas não compensou em volume a queda de 24,1% registrada nas exportações (2.881 unidades), explicou Valiati.
No mercado interno, houve frustração nas compras de ônibus rodoviários com maior valor agregado e o programa federal Caminho da Escola. Nas exportações, houve queda de 25,4% nos negócios (R$ 1,015 bilhão contra R$ 1,360 bilhão, em 2018). Crises nos principais mercados sul-americanos e menores volumes vendidos para o continente africano impactaram o front externo, disse o CFO.
Para 2020, as expectativas se deslocam para a demanda de ônibus para transporte público e escolares. Recentemente, a companhia divulgou a entrega de quase 200 ônibus para o sistema de transporte em Curitiba.  
Comentários CORRIGIR TEXTO