Porto Alegre, sábado, 26 de setembro de 2020.
Dia Nacional dos Surdos.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 26 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Contas Públicas

- Publicada em 03h00min, 21/02/2020.

Governo tem maior arrecadação em janeiro desde 1995, com R$ 174,9 bilhõe

Resultado foi puxado pelo aumento de impostos pagos pelas empresas

Resultado foi puxado pelo aumento de impostos pagos pelas empresas


JOÃO MATTOS/JC
A arrecadação de impostos federais bateu um recorde histórico em janeiro deste ano, atingindo R$ 174,9 bilhões. Foi o maior resultado para o mês de toda a série histórica, iniciada em 1995. O número, divulgado nesta quinta-feira (20) pela Receita Federal, representa uma alta de 4,69% na comparação com janeiro do ano passado, já descontada a inflação.
A arrecadação de impostos federais bateu um recorde histórico em janeiro deste ano, atingindo R$ 174,9 bilhões. Foi o maior resultado para o mês de toda a série histórica, iniciada em 1995. O número, divulgado nesta quinta-feira (20) pela Receita Federal, representa uma alta de 4,69% na comparação com janeiro do ano passado, já descontada a inflação.
A alta foi puxada pelo aumento da arrecadação de impostos pagos pelas empresas, especialmente das companhias que fecharam seus balanços em dezembro de 2019. Também subiu a receita com royalties de petróleo, com alta de 4,65%.
Para a Receita, o comportamento da economia influenciou o resultado positivo da arrecadação. Quando a economia vai bem, aumenta a arrecadação de impostos por parte do governo.
A arrecadação federal de impostos fechou o ano de 2019 com alta de 1,69% ante o ano anterior, já descontada a inflação. No ano passado, os brasileiros pagaram R$ 1,537 trilhão em impostos e contribuições federais. Foi o maior resultado anual desde 2014.
Em janeiro, também houve "pagamentos atípicos" de R$ 2 bilhões referentes ao Imposto de Renda da Pessoa Jurídica (IRPJ) e da Contribuição Social sobre o Lucro Líquido (CSLL). Esses impostos são ligados ao lucro das empresas não financeiras.
O Fisco lembrou que os principais indicadores econômicos com impacto sobre as receitas federais tiveram alta no mês passado. A produção industrial, a venda de bens e serviços, a massa salarial e o valor em dólar das exportações subiram no mês passado.
Além dos tributos relacionados ao lucro das empresas, subiu em 27% a arrecadação com o Imposto de Renda da Pessoa Física. Nesse caso, por conta do ganho de capital e ganhos líquidos de pessoas físicas em operações em bolsa. Já a arrecadação da Cide-Combustiveis e do Imposto de Importação, caíram.
Além de indicar o comportamento da economia, a arrecadação federal é importante para analisar o desempenho das contas públicas. Para esse ano, é esperado um rombo de R$ 124 bilhões. Quando o governo arrecada menos que o previsto, por exemplo, ele precisa bloquear recursos dentro do Orçamento para cumprir a meta de resultado das contas públicas. Foi o que ocorreu no ano passado, quando o contingenciamento chegou a atingir R$ 34 bilhões.
Comentários CORRIGIR TEXTO