Porto Alegre, sábado, 26 de setembro de 2020.
Dia Nacional dos Surdos.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 26 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Contas Públicas

- Publicada em 03h00min, 21/02/2020.

Reforma administrativa 'está madura', diz Bolsonaro

Jair Bolsonaro passou os últimos dias debatendo o texto com sua equipe

Jair Bolsonaro passou os últimos dias debatendo o texto com sua equipe


ANTONIO CRUZ/AGÊNCIA BRASIL/JC
Após uma série de adiamentos do envio da reforma administrativa ao Congresso, o presidente Jair Bolsonaro afirmou, nesta quinta-feira, que o texto está maduro. "A questão da reforma administrativa está madura agora. Não podemos apresentar uma reforma e depois nós mesmos buscarmos deputados e senadores para que ela venha a ser corrigida", disse, durante cerimônia para lançamento de crédito imobiliário no Palácio do Planalto.
Após uma série de adiamentos do envio da reforma administrativa ao Congresso, o presidente Jair Bolsonaro afirmou, nesta quinta-feira, que o texto está maduro. "A questão da reforma administrativa está madura agora. Não podemos apresentar uma reforma e depois nós mesmos buscarmos deputados e senadores para que ela venha a ser corrigida", disse, durante cerimônia para lançamento de crédito imobiliário no Palácio do Planalto.
O texto que vai alterar as regras para novos servidores federais está em gestação desde o ano passado no governo. Bolsonaro chegou a afirmar que ele seria entregue ao Legislativo ainda em 2019, mas a falta de consenso levou a uma série de adiamentos.
Outra promessa foi feita de que a proposta chegaria às mãos dos parlamentares nas primeiras semanas de atividade legislativa deste ano, mas agora deve ficar apenas para março. Com divergências entre a equipe política e econômica, o texto está em fase final de elaboração e aos cuidados do próprio Bolsonaro, que passou os últimos dias debatendo o tema com sua equipe.
No mesmo evento, Guedes também defendeu os "palpites" de Bolsonaro. "O presidente tem 60 milhões de votos e não vai dar palpite na reforma? Tem que dar!", disse, em referência aos quase 58 milhões de votos que Bolsonaro obteve em 2018.
"A (reforma) administrativa, o presidente está dando uma olhada, fazendo algumas mexidas que são corretas. A turma técnica sonhando com um futuro de administração pública completamente despolitizada e desaparelhada. Então a técnica vai lá na reforma administrativa e coloca: 'olha, o funcionário público não pode ter filiação partidária'. Aí o presidente fala: 'espera aí, o exercício da política é o direito da liberdade, o sujeito que é funcionário público pode escolher o partido dele'", afirmou. Ele justificou a demora do envio do texto pelos ajustes necessários.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO