Porto Alegre, sábado, 26 de setembro de 2020.
Dia Nacional dos Surdos.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 26 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Balanços

- Publicada em 03h00min, 20/02/2020.

Lucro da Caixa aumentou 20,6% no ano passado

Carteira da instituição para pessoas físicas ficou estável em R$ 81,9 bi

Carteira da instituição para pessoas físicas ficou estável em R$ 81,9 bi


/FABIO RODRIGUES POZZEBOM/AGÊNCIA BRASIL/JC

O lucro líquido recorrente (que desconsidera receitas e despesas extraordinárias) da Caixa atingiu R$ 14,7 bilhões em 2019, um aumento de 20,6% em relação ao ano anterior. No quarto trimestre, o lucro recorrente alcançou R$ 3 bilhões.

O lucro líquido recorrente (que desconsidera receitas e despesas extraordinárias) da Caixa atingiu R$ 14,7 bilhões em 2019, um aumento de 20,6% em relação ao ano anterior. No quarto trimestre, o lucro recorrente alcançou R$ 3 bilhões.

Já lucro contábil dobrou entre 2018 e 2019, para R$ 21,1 bilhões. Segundo o banco público, o resultado considera uma venda de R$ 6,9 bilhões de títulos públicos federais com a rentabilidade atrelada à inflação (os chamados NTN-Bs), no terceiro trimestre.

O dinheiro foi parar o pagamento de parte do IHCD (Instrumento Híbrido de Capital e Dívida), instrumento usado pelo governo entre os anos de 2007 e 2013 para capitalizar o banco público. No final de dezembro do ano passado, o Tesouro Nacional também havia dado o aval para que o banco devolvesse outros R$ 8,350 bilhões ao governo - e quitasse, assim, o segundo contrato com a União.

Em 2019, a Caixa pagou R$ 11,4 bilhões para o governo - incluindo os R$ 3 bilhões pagos em junho. Antes dos pagamentos, a dívida total do banco era de R$ 40 bilhões.

Para este ano, o presidente do banco, Pedro Guimarães, sinalizou que quer aumentar o volume devolvido ao governo. Além de usar os recursos levantados com a venda de ativos, também se usará o dinheiro que pretende adquirir com a abertura de capital das subsidiárias da Caixa -que incluem as operações de cartões, seguros, loterias e gestão de recursos.

Ao passo em que o banco se prepara para fazer o IPO (oferta pública de ações) da Caixa Seguridade e Cartões, também sinaliza que quer manter seu posicionamento no crédito imobiliário, carro chefe de suas operações.

No entanto, o crescimento da linha de financiamento da casa própria em 2019 foi de 4,6%, percentual abaixo do avanço mostrado pelos seus pares privados, todos com avanços superiores a 7% na modalidade.

A carteira de crédito ampla do banco ficou praticamente estável no período, apresentando recuo de 0,1%, para R$ 693,7 bilhões, também na contramão dos demais grandes bancos do país. O resultado foi puxado pela retração de 30,2% na carteira de crédito para empresas. Guimarães havia afirmado que a retração ocorreria, uma vez que o banco planejava diminuir os recursos cedidos às grandes empresas.

A carteira para pessoas físicas também ficou praticamente estável, em R$ 81,9 bilhões, enquanto as concessões para infraestrutura registraram queda de 0,3% no período, para R$ 84 bilhões. A inadimplência do banco acima de 90 dias ficou em 2,17%.

No ano, as despesas administrativas da Caixa atingiram R$ 33,1 bilhões, evolução de 2,1% no período. Já as despesas de pessoal, especificamente, subiram 5,4%. A alta reflete em parte o aumento dos gastos com demissões - nos últimos dois anos, a Caixa abriu quatro PDVs (programas de demissão voluntária).

A margem financeira do banco - principal receita da instituição, com operações de crédito-, por sua vez, subiu 13,5% em 2019, para R$ 57,9 bilhões. As receitas com prestações de serviços ficaram estáveis em R$ 27 bilhões e a PDD (provisão para devedores duvidosos) do banco caiu 27,9%, para R$ 10,8 bilhões.

Comentários CORRIGIR TEXTO