Porto Alegre, quarta-feira, 22 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 22 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Varejo

- Publicada em 03h11min, 18/02/2020. Atualizada em 03h00min, 18/02/2020.

Índice que mede movimento do comércio cresce 1% em janeiro

O índice que mede o comportamento do comércio varejista no Brasil apresentou alta de 1% em janeiro na comparação com dezembro, conforme a Boa Vista, na série ajustada sazonalmente. Em relação ao primeiro mês de 2019, sem ajuste, houve expansão de 1,1% e avanço de 1,6% no acumulado em 12 meses terminados em janeiro.
O índice que mede o comportamento do comércio varejista no Brasil apresentou alta de 1% em janeiro na comparação com dezembro, conforme a Boa Vista, na série ajustada sazonalmente. Em relação ao primeiro mês de 2019, sem ajuste, houve expansão de 1,1% e avanço de 1,6% no acumulado em 12 meses terminados em janeiro.
As concessões de crédito com recursos livres aos consumidores e o controle de preços, além da liberação dos recursos do FGTS no ano passado, parecem suportar o crescimento das vendas na comparação interanual nos últimos meses, iniciando o ano em alta após recuo em dezembro, conforme a nota da Boa Vista.
O segmento de móveis e eletrodomésticos apresentou alta de 2,1% em janeiro após registrar queda de 4,7% em dezembro. Já em relação ao primeiro mês de 2019, cedeu 0,1%. A atividade de supermercados, alimentos e bebidas registrou variação de 0,1% em janeiro ante o mês anterior e subiu 1,9% no confronto com janeiro de 2019.
O segmento de tecidos, vestuários e calçados cresceu 1% no mês. Nos dados acumulados dos últimos 12 meses, houve alta de 6,9%, enquanto a categoria de combustíveis e lubrificantes apresentou queda de 0,4% em janeiro no confronto com dezembro. Na comparação com janeiro do ano passado, cedeu 0,3%.
A tendência, no curto prazo, continua sendo de recuperação gradual do comércio em 2020, a despeito da retomada lenta do mercado de trabalho e do baixo crescimento da renda.
Comentários CORRIGIR TEXTO