Porto Alegre, terça-feira, 18 de fevereiro de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

combustíveis

14/02/2020 - 14h56min. Alterada em 14/02 às 14h56min

Abastecimento de combustíveis está normal, diz ANP sobre greve de petroleiros

Entidade afirma que 'não existe indicação de anormalidade' no abastecimento

Entidade afirma que 'não existe indicação de anormalidade' no abastecimento


CLAITON DORNELLES/ARQUIVO/JC
O diretor-geral da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), Décio Oddone, afirmou que "não existe indicação de anormalidade" no abastecimento de combustíveis por conta da greve dos petroleiros, que nesta sexta-feira (14) completa 14 dias. A agência acompanha a produção de petróleo e derivados por meio de relatórios da Petrobras e de fiscais que têm ido às unidades produtivas, segundo ele.
O diretor-geral da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), Décio Oddone, afirmou que "não existe indicação de anormalidade" no abastecimento de combustíveis por conta da greve dos petroleiros, que nesta sexta-feira (14) completa 14 dias. A agência acompanha a produção de petróleo e derivados por meio de relatórios da Petrobras e de fiscais que têm ido às unidades produtivas, segundo ele.
Nesta semana, Oddone enviou ofício ao Tribunal Superior do Trabalho (TST) no qual comunica preocupação com um possível desabastecimento de combustíveis por conta da greve.
A Procuradoria Geral da ANP estuda, agora, a possibilidade de a agência ser incluída em ação do TST como parte interessada, já que faz parte das suas atribuições legais garantir os interesses dos consumidores.
Segundo Oddone, o ofício ao tribunal foi apenas um alerta para o caso de a paralisação se estender por muito tempo.
Após participar de cerimônia de assinatura dos contratos relativos à 16ª Rodada de Licitações, realizada no ano passado, o diretor-geral da ANP disse ainda não ter "informação de empresa que tenha relatado dificuldade de negociação de petróleo" por conta da queda de demanda na China, em função do coronavírus.