Porto Alegre, terça-feira, 18 de fevereiro de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

mercado de capitais

Notícia da edição impressa de 14/02/2020. Alterada em 14/02 às 03h00min

Dólar tem forte alta, e BC age para segurar cotação

Após bater os R$ 4,3830 na manhã desta quinta-feira, a cotação do dólar cedeu com intervenção do Banco Central (BC) e fechou em queda de 0,45%, a R$ 4,3320. A moeda americana estava em trajetória de alta com a queda de juros no Brasil, movimento que foi impulsionado pela fala do ministro da Economia, Paulo Guedes.
Após bater os R$ 4,3830 na manhã desta quinta-feira, a cotação do dólar cedeu com intervenção do Banco Central (BC) e fechou em queda de 0,45%, a R$ 4,3320. A moeda americana estava em trajetória de alta com a queda de juros no Brasil, movimento que foi impulsionado pela fala do ministro da Economia, Paulo Guedes.
Na noite de quarta-feira, Guedes afirmou que o dólar um pouco mais alto é bom para todo mundo. Ao mencionar períodos em que o real esteve mais valorizado, disse que empregada doméstica estava indo para a Disney, "uma festa danada". Segundo analistas, a fala do ministro deu margem para o mercado apostar em uma cotação mais elevada. O dólar abriu em alta de 0,7% nesta quinta-feira e foi a R$ 4,3830, nova máxima durante o pregão.
O BC, então, interveio com a oferta de 20 mil contratos de swap cambial, que totalizaram
US$ 1 bilhão. Na prática, a operação promove o aumento da oferta da moeda, já que a instituição oferece contratos que remuneram o investidor pela variação cambial.
Também foram ofertados 13 mil contratos com rolagem em abril, mas apenas 10,5 mil foram arrematados. A oferta teve efeito imediato e levou a cotação a
R$ 4,31. Ao longo do pregão, porém, a moeda americana voltou a ganhar força. No ano, o real é a moeda que mais se desvaloriza no mundo ante o dólar, que acumula alta de 8% no Brasil, fruto dos cortes na taxa básica de juros.
A queda na Selic, hoje na mínima histórica de 4,25% ao ano, contribui para a depreciação do real. Após alta recorde do dólar, o presidente Jair Bolsonaro avaliou que o preço da moeda está "um pouquinho alto". Ele não quis comentar a declaração polêmica do ministro da Economia de que o dólar mais baixo permitia a empregadas irem à Disney e que virou "uma festa danada".

Bolsa perde 0,87% com ações de commodities e bancos

Após duas sessões em recuperação, o Ibovespa voltou a fechar em terreno negativo nesta quinta-feira, com as ações de commodities, como Petrobras (ON -1,90%) e Vale (-1,75%), em baixa na sessão.

Outro segmento de peso que vinha esboçando alguma reação, o de bancos, também registrou perdas nessa sessão. Assim, o principal índice da B3 fechou o dia em baixa de 0,87%, a 115.662,40 pontos.

Na semana, o Ibovespa acumula, agora, alta de 1,66%, praticamente o mesmo desempenho do mês ( 1,67%), enquanto, no ano, o índice sobe, agora, 0,01%. O giro totalizou R$ 21,516 bilhões.

Tendo chegado a operar na faixa de 112 mil pontos no início da semana, o Ibovespa vem convergindo, entre idas e vindas, para os 115 mil pontos, praticamente o nível do fechamento de 2019.

Variação do dólar em um ano