Porto Alegre, terça-feira, 18 de fevereiro de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Mercado financeiro

13/02/2020 - 10h37min. Alterada em 13/02 às 10h43min

Dólar tem queda abrupta para R$ 4,33 após oferta de US$ 1 bi em swap

Intervenção ocorreu por falta liquidez, após alta gerada por declarações de Paulo Guedes, da Economia

Intervenção ocorreu por falta liquidez, após alta gerada por declarações de Paulo Guedes, da Economia


CIARAN MCCRICKARD/WORLD ECONOMIC FORUM/DIVULGAÇÃO/JC
O dólar virou abruptamente para o lado negativo, após atingir máxima em R$ 4,3830, alta de 0,74% no mercado à vista e de R$ 4,3855 (+0,62%) no mercado futuro. A queda radical às mínimas de R$ 4,3380 (-0,30%) e R$ 4,3395 (-0,44%), respectivamente, levou o dólar março a entrar em leilão.
O dólar virou abruptamente para o lado negativo, após atingir máxima em R$ 4,3830, alta de 0,74% no mercado à vista e de R$ 4,3855 (+0,62%) no mercado futuro. A queda radical às mínimas de R$ 4,3380 (-0,30%) e R$ 4,3395 (-0,44%), respectivamente, levou o dólar março a entrar em leilão.
A alta do começo da manhã, novo recorde nominal da moeda do Plano Real, foi reação a declarações do ministro da Economia, Paulo Guedes. 
Já a queda foi reação ao anúncio de oferta extraordinária de US$ 1 bilhão em contratos de swap cambial (20 mil contratos), das 10h10min às 10h20min.
O responsável pela área de câmbio da Terra Investimentos, Vanei Nagen, diz que a intervenção ocorreu por falta liquidez e, nesse caso, "é melhor ofertar swap, porque não gasta reservas".
O profissional afirma que não dá para saber se resolve, após as falas do ministro da Economia, Paulo Guedes, e do Banco Central, Roberto Campos Neto, considerando normal o câmbio no patamar atual. "É para defender liquidez e não por volatilidade", avalia Nagen.