Porto Alegre, terça-feira, 18 de fevereiro de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

mercado financeiro

12/02/2020 - 19h36min. Alterada em 12/02 às 19h35min

Bolsas de Nova Iorque fecham em alta e renovam recordes de fechamento

O índice Dow Jones fechou em alta de 0,94%, a 29.551,42 pontos

O índice Dow Jones fechou em alta de 0,94%, a 29.551,42 pontos


SPENCER PLATT/GETTY IMAGES/AFP/JC
As bolsas de Nova Iorque encerraram a quarta-feira (12), em alta, renovando recordes de fechamento, após mais um pregão marcado por alívio parcial com o coronavírus, em meio à percepção de que a epidemia está se espalhando em ritmo mais lento.
As bolsas de Nova Iorque encerraram a quarta-feira (12), em alta, renovando recordes de fechamento, após mais um pregão marcado por alívio parcial com o coronavírus, em meio à percepção de que a epidemia está se espalhando em ritmo mais lento.
O índice Dow Jones fechou em alta de 0,94%, a 29.551,42 pontos, enquanto o S&P 500 encerrou o dia com ganho de 0,65%, a 3.379,45 pontos, e o Nasdaq, de 0,90%, a 9.725,96 pontos.
O sentimento de que o alastramento do surto de coronavírus está desacelerando, mais uma vez, ofereceu apetite por risco aos mercados internacionais. A informação foi confirmada pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Ainda de acordo com a entidade, apenas 22% dos infectados não estiveram em território chinês, o que sugere que o ritmo de contágio, de fato, não parece ser agressivo fora da China.
Pra ajudar no bom humor, a cientista-chefe da organização, Soumya Swaminathan, revelou que, atualmente, há quatro vacinas contra o coronavírus em processo de desenvolvimento. Por outro lado, ela explicou que a imunização só deve ficar pronta em 18 meses.
"O sentimento otimista do mercado continuou a se espalhar pelos mercados, com taxas mais baixas de infecção por coronavírus", defende o BBVA Research, em nota enviada a clientes nesta tarde. "A província de Hubei, na China, registrou hoje o menor número de infecções este mês", completa a instituição.