Porto Alegre, terça-feira, 18 de fevereiro de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Consumo

Notícia da edição impressa de 13/02/2020. Alterada em 13/02 às 03h00min

Supermercados registram elevação de 3,62% em 2019, diz Abras

O setor de supermercados registrou crescimento de 3,62% nas vendas em 2019, de acordo com a Associação Brasileira de Supermercados (Abras). O resultado é real, já descontada a inflação do período. Em comparação com dezembro de 2018, houve expansão de 2,3%. Já em relação ao mês de novembro, a alta foi de 16,36%.
O setor de supermercados registrou crescimento de 3,62% nas vendas em 2019, de acordo com a Associação Brasileira de Supermercados (Abras). O resultado é real, já descontada a inflação do período. Em comparação com dezembro de 2018, houve expansão de 2,3%. Já em relação ao mês de novembro, a alta foi de 16,36%.
O desempenho do acumulado de 2019 ficou acima da expectativa de crescimento real de 3% ante 2018, mantida pela associação durante todo o ano passado. Para 2020, a expectativa é crescimento de 3,9% nas vendas.
O preço da cesta Abrasmercado registrou alta de 8,11% entre novembro e dezembro, chegando a R$ 522,35. Os produtos com maior alta de preços foram o tomate, com 20,19%, carnes dianteiras (menos nobres) com 16,71%, feijão (16,23%) e carnes traseiras (mais nobres) com 15,56% de alta. Já as maiores quedas foram nos preços da cebola (8,21%), cerveja (0,96%) e café (0,77%). O presidente da Abras, João Sanzovo Neto, afirmou que a entidade está "otimista em relação à economia". Para ele, o crescimento de vendas de 3,9% projetado pela Abras em 2020, porém, foi impactado negativamente pelo cenário internacional, com a epidemia do novo coronavírus na China. "Esse número é conservador. Fui desanimado por uma incerteza que está aí, que é o coronavírus", disse.
Sanzovo pontuou que a aprovação de uma reforma tributária e a queda do desemprego são possibilidades que favoreceriam o setor.