Porto Alegre, terça-feira, 18 de fevereiro de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Mineração

Notícia da edição impressa de 13/02/2020. Alterada em 13/02 às 03h00min

Setor de mineração prevê investir US$ 32,5 bilhões até 2024

O Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram) estima que os investimentos do setor mineral para o período 2020-2024 some US$ 32,5 bilhões, contra US$ 27,5 bilhões estimados para o período 2019-2023. De acordo com Wilson Brumer, presidente do conselho diretor do instituto, isso indica uma recuperação do setor mineral nos próximos anos.
O Instituto Brasileiro de Mineração (Ibram) estima que os investimentos do setor mineral para o período 2020-2024 some US$ 32,5 bilhões, contra US$ 27,5 bilhões estimados para o período 2019-2023. De acordo com Wilson Brumer, presidente do conselho diretor do instituto, isso indica uma recuperação do setor mineral nos próximos anos.
Além de investimentos em projetos, haverá outros US$ 2,3 bilhões investidos pela indústria da mineração em descomissionamento, descaracterização de barragens a montante e outras providências relacionadas à segurança de estruturas de barragens.
A entidade que representa as mineradoras do País destacou que em minerais não metálicos, projetos de infraestrutura, habitação e saneamento do Programa de Parcerias de Investimento (PPI) vão alimentar o crescimento da produção e consumo de agregados para construção como areia, brita e cascalho. Só os projetos do PPI para mineração deverão injetar R$ 270 milhões na economia: R$ 255 milhões em investimentos e R$ 15 milhões em outorgas.
Brumer avalia que movimentos do governo e da Agência Nacional de Mineração (ANM), como a política de expandir a atividade minerária legalizada e a aprovação automática de requerimentos de pesquisa caso não haja resposta em 120 dias, devem levar a um salto na pesquisa mineral a partir de 2020. Em 2019, houve 7.210 alvarás de pesquisa liberados pela ANM, contra 9.295 em 2018.