Porto Alegre, terça-feira, 18 de fevereiro de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

energia

12/02/2020 - 16h23min. Alterada em 12/02 às 16h22min

Eletrobras diz precisar investir R$ 15 bilhões para manter participação no mercado

Há três anos, a Eletrobras tinha 110 obras atrasadas, tendo apenas duas atualmente

Há três anos, a Eletrobras tinha 110 obras atrasadas, tendo apenas duas atualmente


ELETROBRAS/DIVULGAÇÃO/JC
O presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira, destacou nesta quarta-feira (12), que para a estatal manter sua participação no mercado, ela precisaria investir cerca de R$ 15 bilhões por ano. No ano passado, disse, a Eletrobras investiu R$ 3,6 bilhões.
O presidente da Eletrobras, Wilson Ferreira, destacou nesta quarta-feira (12), que para a estatal manter sua participação no mercado, ela precisaria investir cerca de R$ 15 bilhões por ano. No ano passado, disse, a Eletrobras investiu R$ 3,6 bilhões.
"Se a Eletrobras tivesse que fazer para manter seu mercado, ela teria que investir quase R$ 15 bilhões por ano. Ela investiu ano passado R$ 3,6 bilhões. Ela pode investir um pouquinho mais, talvez R$ 4 bi, R$ 4,5 bi, não R$ 5 bi, mas ela precisa investir R$ 15 bi", disse Ferreira durante evento do Grupo Voto, em Brasília.
Em função desse cenário, o presidente da estatal destacou a necessidade de privatização da Eletrobras, e se mostrou confiante com a aprovação do projeto pelo Congresso. "Não tenho dúvida que a gente vai sim conseguir", disse.
O executivo frisou ainda que a perda de participação no mercado registrada nos últimos anos também é causada por um problema de obras mal planejadas.
Segundo ele, quando assumiu a companhia, há três anos, a Eletrobras tinha 110 obras atrasadas, tendo apenas duas atualmente.