Porto Alegre, terça-feira, 18 de fevereiro de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Mineração

Notícia da edição impressa de 12/02/2020. Alterada em 12/02 às 03h00min

Interrupções em minas reduzem produção da Vale

A paralisação de operações após o rompimento da mina Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG), reduziu em 21,5% a produção de minério de ferro da Vale em 2019. A mineradora iniciou 2020 também com perdas de 1 milhão de toneladas, diante das fortes chuvas que caíram em Minas Gerais.
A paralisação de operações após o rompimento da mina Córrego do Feijão, em Brumadinho (MG), reduziu em 21,5% a produção de minério de ferro da Vale em 2019. A mineradora iniciou 2020 também com perdas de 1 milhão de toneladas, diante das fortes chuvas que caíram em Minas Gerais.
A companhia anunciou também aumento das provisões para a descaracterização de barragens como a de Brumadinho, cujo rompimento deixou 270 mortos e um rastro de destruição. Em janeiro, 16 pessoas -entre elas o ex-presidente da companhia, Fabio Schvartsman - foram denunciados por homicídio doloso.
Em relatório de produção e vendas, a mineradora diz que fechou 2019 com uma produção de 301,9 milhões de toneladas de minério de ferro, contra as 384,8 milhões de toneladas registradas no ano anterior. A queda foi provocada, principalmente, pela suspensão das operações nas minas Vargem Grande, Fábrica, Brucutu, Timbopeba e Alegria, todas em Minas Gerais, devido ao aumento das restrições operacionais após o desastre.
Segundo a mineradora, a "sazonalidade climática mais forte que o normal" durante o primeiro semestre de 2019 também contribuiu para o desempenho. Por outro lado, o aumento das operações no Pará e o uso de estoques ajudaram a compensar a perda de produção em Minas.
A produção de pelotas -minério processado para uso em siderúrgicas- da companhia caiu 24,4% no ano, para 41,8 milhões de toneladas. A companhia está atualmente com cerca de 40 milhões de toneladas de capacidade interrompida. No relatório, a Vale diz que está avançando nas discussões com autoridades para garantir a retomada de produção entre 15 milhões de toneladas este ano. Para 2021, a meta é chegar a 25 milhões de toneladas adicionais.
A mineradora espera, ainda no primeiro trimestre, retomar a mina de Timbopeba usando a tecnologia de processamento a seco, que não necessita de barragem de rejeitos como a que se rompeu em Brumadinho (MG). A expectativa é que a mina de fábrica seja retomada no segundo trimestre. "A Vale encerrou 2019, o ano mais desafiador de sua história, com o firme compromisso de retomar e estabilizar sua produção, ao mesmo tempo em que implementa os mais altos padrões de segurança em suas operações", afirmou a empresa.
Com menor produção, as vendas de minério pela Vale caíram 12,8% em 2019, para 269,4 milhões de toneladas. As de pelotas tiveram queda de 23,7%, para 43,2 milhões de toneladas. Para evitar perda maior, a companhia usou 14 milhões de toneladas de seus estoques. Do ponto de vista financeiro, porém, os cortes de produção em minas da empresa pressionaram os preços internacionais do minério, compensando financeiramente parte da perda de volume.