Porto Alegre, terça-feira, 18 de fevereiro de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

energia

11/02/2020 - 17h22min. Alterada em 11/02 às 17h22min

Plano considera investimentos de R$ 2,34 trilhões na cadeia de energia até 2029

O setor elétrico, excluindo o segmento de distribuição, irá demandar outros R$ 456 bilhões

O setor elétrico, excluindo o segmento de distribuição, irá demandar outros R$ 456 bilhões


ALEXANDRO AULER/JC
O Ministério de Minas e Energia (MME) trabalha com a previsão de que a indústria brasileira de energia demandará investimentos totais de R$ 2,34 trilhões até 2029 para acompanhar o crescimento do mercado. A informação consta na versão final do Plano Decenal de Energia (PDE) 2029, divulgado nesta terça-feira (11), em evento na sede do MME, em Brasília.
O Ministério de Minas e Energia (MME) trabalha com a previsão de que a indústria brasileira de energia demandará investimentos totais de R$ 2,34 trilhões até 2029 para acompanhar o crescimento do mercado. A informação consta na versão final do Plano Decenal de Energia (PDE) 2029, divulgado nesta terça-feira (11), em evento na sede do MME, em Brasília.
Do volume total, o PDE 2029 aponta que R$ 1,9 trilhão serão destinados para indústria de petróleo e gás natural e para o setor de biocombustíveis.
A área de exploração e produção irá demandar R$ 1,736 trilhão, o mercado de gás, R$ 33 bilhões, a área de distribuição de combustíveis (abastecimento), R$ 37 bilhões, e o segmento de biocombustíveis, R$ 71 bilhões.
Por sua vez, o setor elétrico, excluindo o segmento de distribuição, irá demandar outros R$ 456 bilhões, sendo R$ 303 bilhões em geração centralizada, R$ 50 bilhões em geração distribuída e R$ 104 bilhões em transmissão.