Porto Alegre, terça-feira, 18 de fevereiro de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

mercado financeiro

11/02/2020 - 16h14min. Alterada em 11/02 às 16h14min

Ouro fecha em baixa com percepção de que coronavírus avança em ritmo mais lento

Na Comex, o ouro para abril caiu 0,60%, a US$ 1.570,10 a onça-troy

Na Comex, o ouro para abril caiu 0,60%, a US$ 1.570,10 a onça-troy


VISUALHUNT.COM/DIVULGAÇÃO/JC
Depois de quatro sessões consecutivas de ganhos, os contratos futuros do ouro fecharam em queda nesta terça-feira (11), em meio a uma menor busca por segurança no mercado devido à percepção de que o coronavírus avança em ritmo mais lento.
Depois de quatro sessões consecutivas de ganhos, os contratos futuros do ouro fecharam em queda nesta terça-feira (11), em meio a uma menor busca por segurança no mercado devido à percepção de que o coronavírus avança em ritmo mais lento.
Na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), o ouro para abril caiu 0,60%, a US$ 1.570,10 a onça-troy.
Nesta terça, a Organização Mundial da Saúde (OMS) afirmou que uma vacina contra o coronavírus pode estar pronta em 18 meses.
Segundo o órgão, há mais de 42 mil casos da doença confirmados e pelo menos 1.017 mortes na China.
"Um vírus tem o potencial de ter mais consequências ruins do que um ataque terrorista", disse o diretor-geral da organização, Tedros Adhanom Ghebreyesus.
"A preocupação de um surto global significativamente problemático foi substituída pelo otimismo das autoridades chinesas em relação a um possível pico do vírus neste mês", comentam analistas da Zaner Metals.
Segundo eles, porém, para que a doença chegue ao pico será necessária uma "desaceleração diária consistente de novos casos".
Já o estrategista de mercado Stephen Innes, da AxiCorp, afirma que "houve muito pouco interesse pelo ouro nos últimos dias" devido à força do dólar, o que deixa o metal precioso mais caro para detentores de outras divisas.