Porto Alegre, terça-feira, 18 de fevereiro de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

crédito

10/02/2020 - 10h31min. Alterada em 10/02 às 11h00min

Percentual de famílias gaúchas endividadas vai a 65,1% em janeiro, diz Fecomércio

Taxa mostrou leve alta na comparação com janeiro do ano passado, quando estava em 63,2%

Taxa mostrou leve alta na comparação com janeiro do ano passado, quando estava em 63,2%


CLAITON DORNELLES /ARQUIVO/JC
O percentual de famílias endividadas no Rio Grande do Sul alcançou 65,1% em janeiro deste ano, segundo a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor divulgada nesta segunda-feira (10) pela Fecomércio-RS. A taxa mostrou leve alta na comparação com janeiro do ano passado, quando estava em 63,2%.
O percentual de famílias endividadas no Rio Grande do Sul alcançou 65,1% em janeiro deste ano, segundo a Pesquisa de Endividamento e Inadimplência do Consumidor divulgada nesta segunda-feira (10) pela Fecomércio-RS. A taxa mostrou leve alta na comparação com janeiro do ano passado, quando estava em 63,2%.
Entre as famílias com contas em atraso, a alta foi mais expressiva ante ao mesmo período de 2019. O percentual passou de 16,7% para os atuais 29,0%. 
Os inadimplentes foram 48,0% do total das famílias entrevistadas. Em janeiro de 2019, eram 38,7%. Já os que se encontram em situação de inadimplência persistente passaram de 5,8% para 13,5% no período. 
Nos últimos 12 meses, também houve alta significativa de famílias que se consideravam muito endividadas, passando de 6,9% em janeiro passado para 17,3% no primeiro mês de 2020. O percentual dos que se consideram pouco endividados também cresceu, de 17,7% para 29,1% na comparação anual.
Cerca de 14,2% dos entrevistados responderam à pesquisa que tem mais de 50,0% da renda comprometida ao pagamento de dívidas. 
O cartão de crédito segue sendo o principal meio de dívida (78,2%), seguido por carnês (34,1%), crédito pessoal (12,9%) e financiamento de carro (12,3%). Já 8,5% dos entrevistados disseram ter dívidas com cheque especial.