Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 07 de fevereiro de 2020.
Dia do Gráfico.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

crédito

07/02/2020 - 08h46min. Alterada em 07/02 às 08h46min

Inadimplência do consumidor sobe 1,2% em janeiro ante dezembro, aponta Boa Vista

No entanto, taxa acumula queda de 2% em 12 meses terminados em janeiro deste ano

No entanto, taxa acumula queda de 2% em 12 meses terminados em janeiro deste ano


MARCO QUINTANA/JC
A taxa de inadimplência do consumidor no País subiu 1,2% em janeiro na comparação com dezembro, com ajuste sazonal, e cresceu 1% no confronto com o primeiro mês de 2019. É o que mostram dados da Boa Vista. No entanto, acumula queda de 2% em 12 meses terminados em janeiro deste ano.
A taxa de inadimplência do consumidor no País subiu 1,2% em janeiro na comparação com dezembro, com ajuste sazonal, e cresceu 1% no confronto com o primeiro mês de 2019. É o que mostram dados da Boa Vista. No entanto, acumula queda de 2% em 12 meses terminados em janeiro deste ano.
Em nota, a Boa Vista alerta que o elevado nível de desocupação e a subutilização da mão de obra, somados à lenta recuperação da renda, aumentam a possibilidade de que esta expansão recente dos empréstimos resulte em maior inadimplência nos próximos meses.
O desempenho visto em janeiro vai nessa direção, observa. Outros dados também mostram que a inadimplência tende a crescer mais entre os consumidores de menor renda, exatamente os mais afetados pela lenta recuperação do emprego, acrescenta.
Por ora, passado o período mais intenso da crise e a melhora da expectativa referente ao ambiente econômico, o indicador demonstra sinais de que caminha para a estabilização após quatro anos consecutivos de queda nos registros.
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia