Porto Alegre, quarta-feira, 22 de julho de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 22 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

mercado financeiro

- Publicada em 08h05min, 07/02/2020. Atualizada em 08h08min, 07/02/2020.

De olho em vírus, bolsas asiáticas interrompem rali e caem majoritariamente

Investidores voltaram a mostrar cautela com a epidemia de coronavírus

Investidores voltaram a mostrar cautela com a epidemia de coronavírus


Kazuhiro NOGI/AFP/JC
As bolsas asiáticas fecharam majoritariamente em baixa nesta sexta-feira (7), perdendo fôlego após o rali dos últimos três pregões, à medida que os investidores voltaram a mostrar cautela com a epidemia de coronavírus, que continua se alastrando pela China e por outros países.
As bolsas asiáticas fecharam majoritariamente em baixa nesta sexta-feira (7), perdendo fôlego após o rali dos últimos três pregões, à medida que os investidores voltaram a mostrar cautela com a epidemia de coronavírus, que continua se alastrando pela China e por outros países.
O índice acionário japonês Nikkei caiu 0,19% em Tóquio hoje, a 23.827,98 pontos, pressionado por ações do setor de eletrônicos, enquanto o Hang Seng recuou 0,33% em Hong Kong, a 27.404,27 pontos, o sul-coreano Kospi cedeu 0,72% em Seul, a 2.211,95 pontos, e o Taiex apresentou queda de 1,16% em Taiwan, a 11.612,81 pontos.
O coronavírus permanece no foco das atenções. Apenas na China, mais de 31 mil pessoas foram infectadas e o número de mortes chegou a 636. A doença também vem se espalhando para outras partes da Ásia e para a Europa. No litoral do Japão, foram confirmados 41 novos casos em um cruzeiro que se encontra em quarentena. No continente europeu, apenas Reino Unido, Alemanha e Itália já relataram 31 casos.
Os presidentes da China, Xi Jinping, e dos EUA, Donald Trump, conversaram sobre a epidemia durante telefonema nesta sexta (pelo horário local). Segundo a imprensa oficial chinesa, Xi cobrou de Trump uma "reação razoável" dos americanos ao problema.
Já Pan Gongsheng, um dos vice-presidentes do banco central chinês (PBoC), disse que Pequim está considerando possíveis contramedidas para amenizar os efeitos do coronavírus, que deve causar uma "turbulência temporária" à segunda maior economia do mundo.
A China também anunciou nesta madrugada que decidiu adiar a divulgação da balança comercial de janeiro, que estava prevista para hoje. Os dados de janeiro da balança comercial chinesa serão publicados em conjunto com os fevereiro, de acordo com a Administração Geral das Alfândegas do país.
Contrariando o viés negativo de outros mercados asiáticos, as bolsas da China continental mantiveram hoje a sequência de ganhos dos últimos dias. O índice Xangai Composto subiu 0,33%, a 2.875,96 pontos, e o menos abrangente Shenzhen Composto avançou 0,52%, a 1.736,17 pontos. Na segunda-feira (03), primeiro dia de negócios após o feriado do ano-novo lunar, ambos os índices sofreram tombos de cerca de 8%.
Na Oceania, a volta dos temores com o coronavírus também afetou a bolsa australiana. O S&P/ASX 200 caiu 0,38% em Sydney hoje, a 7.022,60 pontos. 
Comentários CORRIGIR TEXTO