Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 05 de fevereiro de 2020.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 05/02 às 19h06min

Perspectiva de ingresso de recursos com venda de ações da Petrobras ajudam real

Os economistas do Citi estimam uma participação de 50% de estrangeiros na ponta de compra

Os economistas do Citi estimam uma participação de 50% de estrangeiros na ponta de compra


MARCELLO CASAL JR/ABR /JC
O dólar passou a tarde oscilando entre o positivo e o negativo para, apenas mais perto do fechamento da sessão, mostrar enfraquecimento ante ao real. No segmento à vista fechou a quarta-feira (5) em queda de 0,45%, cotado a R$ 4,2390.
O dólar passou a tarde oscilando entre o positivo e o negativo para, apenas mais perto do fechamento da sessão, mostrar enfraquecimento ante ao real. No segmento à vista fechou a quarta-feira (5) em queda de 0,45%, cotado a R$ 4,2390.
Durante boa parte do pregão, a perspectiva de novo afrouxamento da política monetária pelo Comitê de Política Monetária (Copom) pressionou na desvalorização do real em razão de um maior estreitamento da diferença entre o juro interno e externo. No entanto, no fim do dia, a moeda local reagiu em linha com o movimento de seus pares emergentes, que ganharam força, e a perspectiva de entrada de recursos em razão da venda de ações da Petrobras.
Segundo Eduardo do Prado, sócio da RJ Investimentos, é forte a demanda de investidores institucionais pela oferta, que pode somar R$ 23 bilhões em ações da Petrobras que o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) faz esta semana. "E isso dá uma apaziguada na pressão contra o real", afirma Prado.
Em relatório, os economistas do Citi estimam uma participação de 50% de estrangeiros na ponta de compra. "Esse fluxo de estrangeiros pode ser um apoio para o real", avaliam.
Mesmo que o BNDES venda ações também no exterior, em algum momento, esse dinheiro tem de entrar para o banco no Brasil. Um outro especialista em câmbio que preferiu anonimato ressalta que o evento embute mais uma expectativa dos investidores sobre a atração dos recursos estrangeiros para as ofertas que vão seguir este ano na Bolsa brasileira.
A perspectiva de ingresso de dinheiro de fora foi hoje - e pode ser até o final desta semana - um contraponto ao impacto do diferencial de juros sobre o câmbio. Para Prado, ainda que reduza mais o carry trade, a queda de 0,25 ponto porcentual da Selic, como foi anunciada hoje pelo Copom, tem efeito mais contido sobre a variação cambial.
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia