Porto Alegre, sábado, 26 de setembro de 2020.
Dia Nacional dos Surdos.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 26 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

gestão

- Publicada em 03h00min, 06/02/2020.

Novo mínimo terá impacto nas contas municipais

Cidades menores poderão ter mais dificuldades de orçamento

Cidades menores poderão ter mais dificuldades de orçamento


/USP/DIVULGAÇÃO/JC
O reajuste de 4,7% do salário-mínimo anunciado pelo governo federal terá impacto de
O reajuste de 4,7% do salário-mínimo anunciado pelo governo federal terá impacto de
R$ 2,164 bilhões em 2020 nas folhas de pagamentos dos municípios. O valor é 6,7% maior que o de 2019, quando o impacto do mínimo representou R$ 2,02 bilhões, e é quase o mesmo que o esperado para as contas públicas federais, calculado pelo governo em R$ 2,13 bilhões.
O levantamento foi feito pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM), que observa que é nas cidades brasileiras que se encontra a maior parte de empregados do País - mais de 3 milhões de funcionários com remuneração vinculada ao benefício.
"Os municípios de menor porte possuem um grande número de funcionários ganhando até um salário e meio, e, com essa política, as despesas com pessoal têm sofrido progressivo aumento. É importante ressaltar que o impacto fiscal ocorre de maneira permanente, pois é vedada qualquer possível redução nominal de remuneração", escreveu a CNM, em nota.
Segundo a entidade, a cada ano, quando o governo federal e o Congresso Nacional validam esses reajustes no salário-mínimo, os cofres municipais sofrem com o crescimento das despesas com gasto de pessoal. O maior problema dessa política, avalia a entidade, é que ela não conta com a designação de uma fonte de custeio e não dá espaço para nenhuma possibilidade de intervenção do gestor municipal.
O levantamento da entidade levou em conta todos os funcionários públicos municipais de diferentes poderes que trabalham em qualquer ocupação com carga de trabalho semanal maior que 20 horas e na ativa - portanto excluindo-se os aposentados. Para a base de cálculo, foram consideradas férias, 13º salário e encargos patronais que incidem no salário-base.
O cálculo, segundo a CNM, fez uma generalização: considerou-se que 100% dos trabalhadores públicos municipais são vinculados ao Regime Próprio de Previdência Social (RPPS). Até o ano passado, a variação no valor do salário-mínimo estava vinculada ao crescimento da economia dos dois anos anteriores, acrescido do Índice Nacional de Preço ao Consumidor (INPC). Essa fórmula de correção passou a valer em 2012.
O governo do presidente Jair Bolsonaro não definiu uma nova política de reajuste do mínimo, e a correção foi feita por medida provisória. Primeiro, o governo reajustou o salário-mínimo para R$ 1.039,00, valor que não contemplava a inflação pelo INPC de 2019, que ainda não havia sido fechado. Com o INPC fechado em 4,48%, o governo decidiu reajustar o valor do mínimo para
R$ 1.045,00.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO