Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 03 de fevereiro de 2020.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

conjuntura

03/02/2020 - 09h11min. Alterada em 03/02 às 09h11min

IPC-S desacelera a 0,59% em janeiro, revela FGV

Resultado ficou 0,18 ponto porcentual abaixo do fechamento de dezembro

Resultado ficou 0,18 ponto porcentual abaixo do fechamento de dezembro


MARCELO G. RIBEIRO/ARQUIVO/JC
O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) subiu 0,59% em janeiro, informou nesta segunda-feira (3) a Fundação Getulio Vargas (FGV). O resultado ficou 0,18 ponto porcentual abaixo do fechamento de dezembro, quando a inflação medida pelo indicador avançou 0,77%, e 0,03 ponto acima da penúltima divulgação de janeiro, quando a alta foi de 0,56%.
O Índice de Preços ao Consumidor Semanal (IPC-S) subiu 0,59% em janeiro, informou nesta segunda-feira (3) a Fundação Getulio Vargas (FGV). O resultado ficou 0,18 ponto porcentual abaixo do fechamento de dezembro, quando a inflação medida pelo indicador avançou 0,77%, e 0,03 ponto acima da penúltima divulgação de janeiro, quando a alta foi de 0,56%.
Frente à terceira quadrissemana do mês, apenas dois grupos tiveram acréscimo nas taxas. A maior contribuição partiu de Educação, Leitura e Recreação (0,95% para 2,30%), puxado pela aceleração da passagem aérea (-7,31% para -1,86%).
O grupo Habitação também pressionou o indicador, passando de 0,04% para 0,36% devido ao comportamento da tarifa de eletricidade residencial (-0,64% para 0,97%).
Em contrapartida, os outros seis grupos mostraram alívio nas taxas. O decréscimo mais forte foi observado em Alimentação (1,12% para 0,64%), que continua beneficiado pelo comportamento das carnes bovinas (0,67% para -2,62%), seguido por Transportes (0,90% para 0,59%), puxado pela desaceleração da gasolina (2,08% para 1,07%).
Também houve redução nas taxas de Vestuário (-0,12% para -0,35%), por causa de roupas (-0,38% para -0,63%); Saúde e Cuidados Pessoais (0,37% para 0,32%), devido aos artigos de higiene e cuidado pessoal (0,49% para 0,30%); Comunicação (0,18% para 0,14%), com a desaceleração de mensalidade para TV por assinatura (1,09% para 0,80%); e Despesas Diversas (0,28% para 0,25%), beneficiado por alimentos para animais domésticos (1,37% para 0,74%).
Os principais responsáveis pela aceleração marginal do IPC-S no fechamento de janeiro foram curso de ensino fundamental (4,05% para 6,07%), curso de ensino superior (2,22% para 3,42%) e tomate (16,15% para 16,73%), além da gasolina e da tarifa de eletricidade residencial.
Por outro lado, ajudaram a conter a inflação a tarifa de táxi (-3,70% para -8,44%), contrafilé (-0,50% para -4,50%), carne moída (-1,53% para -4,83%) e alcatra (-1,09% para -4,49%), além da passagem aérea.
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia