Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 31 de janeiro de 2020.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

31/01/2020 - 17h03min. Alterada em 31/01 às 17h05min

Ouro fecha em leve queda em meio a surto de coronavírus e incertezas com demanda

O ouro para fevereiro o dia em leve queda de 0,04%, a US$ 1.582,90 a onça-troy, na Comex

O ouro para fevereiro o dia em leve queda de 0,04%, a US$ 1.582,90 a onça-troy, na Comex


VISUALHUNT.COM/DIVULGAÇÃO/JC
Os contratos futuros de ouro encerraram a sessão desta sexta-feira (31), em leve queda, mas terminaram a semana em alta em meio às incertezas sobre o efeito do coronavírus na economia mundial. Analistas acreditam que o mercado deve seguir de lado por conta das dúvidas sobre a demanda pelo metal na Índia e na China.
Os contratos futuros de ouro encerraram a sessão desta sexta-feira (31), em leve queda, mas terminaram a semana em alta em meio às incertezas sobre o efeito do coronavírus na economia mundial. Analistas acreditam que o mercado deve seguir de lado por conta das dúvidas sobre a demanda pelo metal na Índia e na China.
O ouro para fevereiro o dia em leve queda de 0,04%, a US$ 1.582,90 a onça-troy, na Comex, divisão de metais da New York Mercantile Exchange (Nymex), com ganho semanal de 0,69%.
Nesta sexta, as três principais companhias áreas internacionais dos Estados Unidos - Delta, United e American Airlines - anunciaram a suspensão dos voos entre o país e a China, com temores em relação à disseminação mundial do coronavírus.
À tarde, a Suécia tornou-se o 23º país a confirmar casos da doença.
Diante desse cenário, investidores operam com cautela, o que geralmente beneficia o ouro, conforme observa o Julius Baer. No entanto, na avaliação do banco, não há uma movimento claro em favor de ativos de segurança. "Isso se dá parcialmente porque a disseminação do vírus terá um impacto negativo na demanda da China, um dos dois principais consumidores de ouro do mundo", ressalta.
A Índia, o segundo maior comprador do metal, também é foco de preocupação, no entendimento do Commerzbank.
Em 2019, a demanda indiana por ouro caiu 9%, a 690 toneladas por ano, de acordo com o Conselho Mundial do Ouro (WGC, na sigla em inglês).
Segundo o banco alemão, a WGC espera que o dado atinja de 700 a 800 toneladas em 2020. "No entanto, isso ainda deixaria a demanda indiana de ouro abaixo do nível médio a longo prazo", afirmou.
Estadão Conteúdo
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia