Porto Alegre, sábado, 26 de setembro de 2020.
Dia Nacional dos Surdos.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sábado, 26 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Conjuntura

- Publicada em 03h00min, 27/01/2020.

Reformas administrativa e tributária devem andar juntas

O presidente Jair Bolsonaro afirmou, neste domingo, que é preciso aproveitar o tempo para aprovar as reformas tributária e administrativa, e indicou que pode enviá-las juntas ao Congresso Nacional. "A reforma administrativa está praticamente pronta, falta só conversar a última palavra com o Paulo Guedes. A tributária é importante também. E tem que aproveitar, né, porque tem eleições municipais e, a partir de junho...", comentou o presidente após chegar ao hotel em Nova Délhi, com a delegação que o acompanha na missão à Índia.
O presidente Jair Bolsonaro afirmou, neste domingo, que é preciso aproveitar o tempo para aprovar as reformas tributária e administrativa, e indicou que pode enviá-las juntas ao Congresso Nacional. "A reforma administrativa está praticamente pronta, falta só conversar a última palavra com o Paulo Guedes. A tributária é importante também. E tem que aproveitar, né, porque tem eleições municipais e, a partir de junho...", comentou o presidente após chegar ao hotel em Nova Délhi, com a delegação que o acompanha na missão à Índia.
Perguntado se enviaria as duas reformas juntas após o fim do recesso - no início de fevereiro -, Bolsonaro respondeu que "pode ser". "Não tem problema nenhum." O presidente também criticou a complexidade da carga tributária no País. "Fiquei 28 anos dentro da Câmara e nunca chegou uma reforma tributária até o final porque não atende ao Estado, ao município ou à União. Não atendendo a nenhum dos três, como ninguém quer perder nada, acaba todo mundo perdendo muito e o Brasil continua nesse cipoal tributário que dificulta produzir, empregar e encarece exportar", comentou.
Em sua fala, o presidente reafirmou a necessidade de reduzir os impostos e destacou que estados e municípios têm autonomia e independência para alterar alguns impostos. "Não culpe só a mim." A respeito de possíveis mudanças, ele disse com uma comparação automobilística. "Não entendo nada de economia. Contratei um Posto Ipiranga. Não vou contratar o Nelson Piquet para trabalhar comigo, botar do lado e eu dirigir o carro", afirmou em referência ao ministro Paulo Guedes.
Bolsonaro também repetiu o discurso de que é preciso defender o empregador no Brasil e promover a desburocratização. "Se não defender o empregador, não tem emprego para ninguém", afirmou. "Quem quer ser patrão? Tem que ser herói ou faltar um parafuso na cabeça dele. Então tem que fazer o máximo possível para facilitar a vida de quem quer empreender", afirmou.

Bolsonaro confunde impostos e diz que redução quebraria indústria

O presidente Jair Bolsonaro confundiu três vezes tarifas de importação com impostos sobre empresas durante visita oficial à Índia, afirmando que redução de impostos poderia quebrar a indústria brasileira.
Indagado sobre a possibilidade de reduzir impostos para as empresas no Brasil crescerem mais, como vem acenando o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou: "O Guedes já me disse que, se fizer de uma hora para outra, ele quebra a indústria nacional", disse. "E imposto não é só o governo federal. Temos os estaduais e os municipais."
A pergunta foi repetida, e, de novo, Bolsonaro disse que tem conversado com Guedes e que não é possível reduzir de uma hora para outra. "Se reduzir de uma forma abrupta, você vai quebrar, vai desnacionalizar... Agora, a carga tributária do Brasil é um absurdo. Mas não culpe só a mim - os estados têm independência e autonomia para mexer no percentual dos impostos. É bastante complexo."
O jornalista persistiu. "Mas o senhor não acha que, se reduzirmos o imposto sobre as empresas, elas vão é aumentar o investimento?" "Olha, a gente sempre busca industrialização, tendo preferência sobre importação, esse é o objetivo final, mas se for devagar, dá para diminuir... Você viu a briga dos EUA com a China?", disse o presidente brasileiro. "Ou seja, o senhor não está falando sobre os impostos sobre as empresas, mas sim sobre os impostos de importação", acudiu o repórter. "É, os impostos são muito caros no Brasil..."
 
Comentários CORRIGIR TEXTO